Mercado abrirá em 4 h 57 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    +0,41 (+0,63%)
     
  • OURO

    1.835,80
    +4,50 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    58.498,22
    +490,87 (+0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.558,57
    +122,79 (+8,55%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.139,75
    +10,04 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    28.533,08
    -77,57 (-0,27%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.663,25
    -46,50 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Pesquisadores utilizam sistema óptico para rastrear lixo espacial com precisão

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

O lixo espacial é um problema que vem crescendo ao longo das últimas décadas. Coloca não apenas nós, aqui da Terra, em risco, mas também ameaça a infraestrutura espacial, como a Estação Espacial Internacional e uma variedade de satélites. Pensando nisso, uma equipe da Australian National University (ANU) adaptou seu sistema de óptica para auxiliar telescópios terrestres no rastreamento com maior precisão desses detritos.

Esta é uma iniciativa em cooperação com pesquisadores da ANU, da Electro Optic Systems (EOS), do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne (RMIT University), além de membros do Japão e EUA, como parte do programa Space Environment Research Center (SERC). O trabalho consiste na óptica adaptativa, atualmente usada para remover dos telescópios a turbulência e nebulosidade causadas pela atmosfera terrestre. Com o auxílio de um laser “estrela guia”, o sistema será capaz de rastrear e até mover com seguranças os lixos espaciais.

(Imagem: Reprodução/ANU)
(Imagem: Reprodução/ANU)

Através da luz infravermelha, invisível para nossos olhos, os feixes de laser serão utilizados para rastrear os destroços na órbita da Terra. Já o laser “estrela guia” emitirá uma luz laranja — esta, sim, visível para nós — para criar uma estrela artificial que será usada para medir com precisão a distorção da luz causada pela atmosfera. A pesquisadora principal, a professora Celine D’Orgeville da ANU, explica que: “sem a óptica adaptativa, um telescópio vê um objeto no espaço como uma gota de luz; isso ocorre porque nossa atmosfera distorce a luz que viaja entre a Terra e esses objetos”.

Basicamente, a óptica adaptativa é capaz de remover a interferência do ar nas imagens, de modo que os objetos sejam visualizados com maior precisão e nitidez. "É por isso que este desenvolvimento é um avanço tão importante quando se trata dos nossos esforços para limpar o céu noturno da desordem cada vez maior de detritos espaciais", acrescentou D’Orgeville.

Mount Stromlo Observatory, onde se encontram os atuais sistemas de laser (Imagem: Reprodução/ANU)
Mount Stromlo Observatory, onde se encontram os atuais sistemas de laser (Imagem: Reprodução/ANU)

O atual sistema de laser “estrela guia”, da EOS, e o sistema óptico adaptativo, da ANU, estão localizados no Mount Stromlo Observatory em Canberra, na Austrália. A equipe agora segue a pesquisa do uso do laser no rastreamento de lixos espaciais, além da aplicação desta tecnologia a outras finalidades, como a comunicação a laser.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: