Mercado abrirá em 7 h 32 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,42
    -0,13 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.791,30
    +31,40 (+1,78%)
     
  • BTC-USD

    17.149,62
    +258,94 (+1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,51
    +5,82 (+1,45%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.895,51
    +298,28 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.269,67
    +300,68 (+1,08%)
     
  • NASDAQ

    12.051,25
    +9,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Pesquisadores usam cogumelo para criar chip de computador biodegradável

Pesquisadores da Universidade Johannes Kepler, na Áustria, descobriram que a pele de um determinado tipo de cogumelo pode ser utilizada como uma base biodegradável para a fabricação de chips de computador, facilitando o descarte e a decomposição desses dispositivos na natureza.

Segundo os cientistas, esse material funciona tão bem como as bases de plástico usadas atualmente na construção de equipamentos eletrônicos, com a vantagem de poder ser facilmente descartado quando os chips chegarem ao fim de sua vida útil, sem poluir o meio ambiente.

Circuito eletrônico inserido na base feita de pele de micélio (Imagem: Reprodução/Universidade Johannes Kepler)
Circuito eletrônico inserido na base feita de pele de micélio (Imagem: Reprodução/Universidade Johannes Kepler)

“Infelizmente, o tipo de plástico usado atualmente na fabricação de componentes eletrônicos não é reciclável, o que significa que a maioria dos chips de computador acaba em lixões ou aterros sanitários em todo o mundo”, explica o professor de física experimental Doris Danninger, autor principal do estudo.

Ganoderma Lucidum

Depois de várias tentativas à procura de um material perfeito, os pesquisadores descobriram que o Ganoderma Lucidum — um tipo de cogumelo comum em todo o continente asiático, que cresce em árvores mortas — era uma alternativa viável ao plástico usado na fabricação de microchips.

Esquema de utilização da pele do micélio na fabricação dos chips (Imagem: Reprodução/Universidade Johannes Kepler)
Esquema de utilização da pele do micélio na fabricação dos chips (Imagem: Reprodução/Universidade Johannes Kepler)

Os cientistas observaram que a pele do micélio — parte vegetativa do fungo semelhante à raiz — possui uma estrutura que pode ser cultivada e agregada a materiais biodegradáveis e biocompatíveis para a produção de sensores vestíveis e baterias da próxima geração.

“Depois de remover parte da pele de várias amostras, nós percebemos que ela era flexível, oferecia bom isolamento e era capaz de suportar altas temperaturas. Além disso, quando mantida longe da luz e da umidade, essa pele do micélio poderia durar por muito tempo”, acrescenta Danninger.

Chip de cogumelo

Ao introduzir os componentes e circuitos eletrônicos de metal na base feita de cogumelo, usando um sistema de deposição física de vapor e um laser ablativo, os pesquisadores constaram que o dispositivo funcionava tão bem quanto os substratos feitos exclusivamente de plástico não degradável.

Conceito das baterias feitas de micélio (Imagem: Reprodução/Universidade Johannes Kepler)
Conceito das baterias feitas de micélio (Imagem: Reprodução/Universidade Johannes Kepler)

Outra vantagem, segundo os cientistas, está na resistência do material. Durante os testes realizados em laboratório, o substrato de micélio foi submetido a várias condições de estresse, sendo dobrado e desdobrado por mais de duas mil vezes sem quebrar ou apresentar fissuras.

“Um dos pontos mais interessantes dessa pesquisa, é que podemos usar os cogumelos não só para fabricar microchips, mas também na construção de baterias de micélio, utilizadas para alimentar dispositivos de detecção autônomos como módulos Bluetooth e sensores de proximidade”, encerra o professor Doris Danninger.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: