Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.437,29
    +1.423,82 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.613,56
    -209,67 (-0,40%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,67 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.840,60
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    42.841,91
    +938,04 (+2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.017,59
    +22,33 (+2,24%)
     
  • S&P500

    4.532,87
    +0,11 (+0,00%)
     
  • DOW JONES

    35.076,00
    +47,35 (+0,14%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.035,75
    +2,25 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1327
    -0,0347 (-0,56%)
     

Pesquisadores de engenharia fazem renúncia coletiva e número de cientistas fora da Capes passa de 100

·2 min de leitura

BRASÍLIA — Pesquisadores que atuam na avaliação da área de engenharias da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) renunciaram a suas funções na instituição nesta terça-feira, engrossando a debandada de profissionais do órgão do governo, que agora ultrapassa uma centena de cientistas. A nova carta de renúncia coletiva soma 34 assinaturas.

O novo grupo de cientistas a abrir mão do cargo é composto por três coordenadores da área de engenharias, que tinham mandato de quatro anos, e 33 pesquisadores ad hoc, que atuam como consultores nas avaliações. Com isso, no total, já são 114 cientistas que deixaram seus cargos na instituição desde a semana passada com críticas à gestão do órgão. A debandada foi revelada pelo GLOBO no início do mês.

Em uma nova carta com críticas ao comando da Capes, que se soma às da área de matemática, física e química, os pesquisadores afirmam que “não há condições, neste momento, de se produzir uma avaliação dos programas de pós-graduação com a qualidade necessária para o cumprimento de seu papel de orientadora das políticas públicas para o desenvolvimento da pós-graduação brasileira”.

Os pesquisadores reforçam as críticas apresentadas anteriormente por seus colegas de que não há empenho da presidência da instituição em retomar a avaliação quadrienal, que serve para atribuir conceitos aos cursos de pós-graduação do país e está paralisada após decisão judicial.

O grupo de professores entende que a decisão da Justiça sobre a retomada da avaliação permite a retomada dos trabalhos, mas proíbe a publicação dos resultados até que o Poder Judiciário se pronuncie sobre o mérito da ação. O processo na Justiça questiona a avaliação da Capes.

“A falta de garantia de que o resultado da avaliação será tornado público fere os princípios da transparência e do respeito à comunidade acadêmica, que sempre nortearam os trabalhos desta Comissão (de pesquisadores)”, diz a carta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos