Mercado abrirá em 5 h 58 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,89
    -0,76 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.786,90
    -6,50 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    61.014,48
    -1.385,41 (-2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.485,88
    -19,27 (-1,28%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.628,65
    -409,62 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.047,99
    -58,02 (-0,20%)
     
  • NASDAQ

    15.558,50
    +13,50 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4582
    +0,0041 (+0,06%)
     

Pesquisadores descobrem vulcão submarino com a maior erupção já documentada

·3 minuto de leitura

Em 2018, uma intensa atividade vulcânica foi detectada próxima à ilha de Mayotte, localizada entre a costa oriental da África e o extremo norte de Madagascar. Agora, uma pesquisa liderada pela Universidade de Paris apresenta, com riqueza de dados, uma maciça estrutura vulcânica de 820 metros de altura a uma profundidade de 55 km. Segundo os pesquisadores, esta é a maior erupção submarina ativa já documentada.

Além de moldarem a superfície da Terra, as atividades vulcânicas fornecem algumas pistas sobre o que acontece nas camadas mais internas do planeta, como é o caso da astenosfera, o manto derretido logo abaixo da litosfera — ou a crosta terrestre. No entanto, pouco se sabe sobre como o magma escapa de uma camada para outra. O novo “edifício” vulcânico é considerado parte de uma estrutura tectônica entre as fendas da África Ocidental e de Madagascar, oferecendo uma oportunidade para entender tal processo.

À esquerda, a região mapeada em 2014 e, à direita, em 2019 (Imagem: Reprodução/Feuillet et al./Nature Geoscience)
À esquerda, a região mapeada em 2014 e, à direita, em 2019 (Imagem: Reprodução/Feuillet et al./Nature Geoscience)

Em 2018, a intensa atividade vulcânica que abalou a ilha de Mayotte foi detectada a cerca de 50 km da costa e, desde então, instituições locais enviaram uma equipe de pesquisa para analisar o evento. Os pesquisadores começaram a monitorar a região fevereiro de 2019 através de um sonar multifeixe, mapeando uma área de 8.600 km quadrados do fundo do mar. Além disso, eles instalaram uma rede de sismômetros a uma profundidade de 3,5 km.

De fevereiro a maio de 2019, o sistema detectou 17 mil eventos sísmicos a uma profundidade de 20 a 50 km — o que já foi incomum, pois a maioria dos terremotos acontece mais próximo à superfície. Ainda, outros 85 eventos foram detectados em frequências bem baixas. A partir dos dados, a equipe liderada pela geofísica Nathalie Feuillet, da Universidade de Paris, conseguiu reconstruir a possível formação do vulcão marinho.

Evolução do vulcão marinho (Imagem: Reprodução/Feuillet et al./Nature Geoscience)
Evolução do vulcão marinho (Imagem: Reprodução/Feuillet et al./Nature Geoscience)

Segundo Feuillet, um reservatório de magma na astenosfera teria sido o início da formação vulcânica. Ela explica que, abaixo da estrutura, processos tectônicos podem ter causado danos à litosfera, criando fissuras pelas quais o magma subiu pela crosta até alcançar as profundezas do oceano — a erupção produziu cerca 5 km cúbicos de lava e, assim, deu origem ao vulcão.

O estudo também indica que o volume liberado pela estrutura é entre 30 a 1.000 vezes maior do que outras erupções marinhas, o que torna a erupção do novo vulcão a mais significativa já registrada. "Os volumes e fluxo de lava emitida durante o evento magmático de Mayotte são comparáveis ​​aos observados durante erupções nos maiores pontos quentes da Terra", acrescentam os pesquisadores no artigo.

A equipe acredita que, no futuro, possam ocorrer um novo colapso da caldeira e erupções marinhas na encosta superior da ilha e em terra, uma vez que grandes fluxos de lava pela encosta de Mayott indicam que essas atividades já ocorreram no passado. Um observatório foi instalado na região desde que o novo vulcão foi descoberto para acompanhar sua evolução. Vale destacar que o grande vulcão italiano, o Monte Etna, surgiu como um vulcão submarino e, hoje, seu pico atinge 3.357 metros de altura.

O resultado da pesquisa foi publicado em 26 de agosto deste ano, na revista Nature Geoscience.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos