Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,06
    -0,09 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.810,80
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,06
    +50,30 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.081,00
    +7,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1183
    0,0000 (0,00%)
     

Pesquisadores criam tecido-repelente que evita picadas de mosquitos em 100%

·2 minuto de leitura

Pensando em proteger os humanos contra picadas de mosquitos, principalmente daqueles que podem trazer doenças fatais, cientistas da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, conseguiram desenvolver um material capaz de prevenir 100% das picadas de insetos.

O material, criado com o auxílio de um modelo computacional que se baseou no mosquito Aedes aegypti, responsável por transmitir zika, febre amarela e dengue, foi transformado em roupa. Andre West, professor de design têxtil na universidade e co-autor do estudo, diz que está comprovado que o tecido funciona na hora de repelir os insetos. "Para mim, isso é revolucionário", diz o especialista, dizendo que foi possível evitar que o mosquito chegasse à pele após alguns experimentos.

<em>Imagem: Reprodução/Emphyrio/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Emphyrio/Pixabay

Metodologia

Para criar o tecido com a ajuda do modelo computacional, os pesquisadores investigaram as dimensões da cabeça, antena e boca do Aedes aegypti, e também a mecânica da sua mordida. Na sequência, desenvolveram materiais têxteis que poderiam evitar as picadas devido à espessura e tamanho dos poros, e começaram os experimentos.

Nos testes, antes do uso por um voluntário, foram usados mosquitos livres de doença e diversos tipos de materiais com sangue, todos desenvolvidos de acordo com os parâmetros previstos pelo modelo computacional. Entre esses materiais estava um tecido fino, mas com poros muito pequenos que impediam a entrada da tromba do inseto.

Havia também um tecido com poros médios, que evitaram que o mosquito passasse a cabeça pelo material, que também estava a uma distância suficiente para não alcançar a pele. Por fim, um terceiro material tinha poros maiores, mas era espesso o suficiente para que a boca do mosquito não conseguisse chegar na pele.

<em>Imagem: Reprodução/NC State University</em>
Imagem: Reprodução/NC State University

Em novos testes, uma série de tecidos de malha e outros tecidos que atendiam aos parâmetros do modelo computacional foram usados, sendo expostos a um reservatório de sangue e a humanos voluntários. Em outra fase, um novo tecido foi usado por um voluntário em um ambiente com 200 mosquitos, permanecendo em pé por 10 minutos, e a roupa se mostrou 100% eficaz na prevenção de picadas.

Segundo os pesquisadores, o tecido pode ser usado para combater picadas de outros mosquitos, não só do Aedes egypti, e que as roupas contam com diferentes finalidades de uso. Você pode conferir o estudo completo neste link.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos