Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,60
    +0,24 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.785,50
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    50.689,34
    -51,66 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.328,28
    +23,16 (+1,77%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.891,65
    +31,03 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    16.376,75
    -15,50 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2799
    +0,0058 (+0,09%)
     

Pesquisadores criam caneta que administra vacinas com pulsos elétricos

·1 min de leitura

Depois do adesivo, outra forma alternativa de se administrar vacinas veio à tona: uma "caneta" que envia pulsos elétricos curtos às células, em meio a uma técnica chamada eletroporação. O dispositivo, inventado por pesquisadores da Georgia Tech’s School of Chemical and Biomolecular Engineering (EUA) e da Sun Yat-sen University (China), não requer bateria, e a ideia é que possa ser produzido em massa a baixo custo.

O dispositivo é inspirado em um isqueiro para acender churrasqueira, em que cada clique gera um breve pulso de eletricidade para acender. Basicamente, a equipe pegou a estrutura desse isqueiro e reformulou em um minúsculo mecanismo de trava de mola. Normalmente, a técnica de eletroporação é usada com grandes máquinas, mas o dispositivo cria o mesmo campo elétrico na pele que os aparelhos atualmente em uso no mercado.

O sistema baseado em microagulha usa voltagens semelhantes à eletroporação convencional, mas com pulsos que são 10 mil vezes mais curtos. Segundo os pesquisadores, esse pulso mais curto minimiza a estimulação nervosa e muscular, o que pode evitar dor e espasmos, efeitos colaterais comuns da eletroporação convencional.

(Imagem: Reprodução/Georgia Tech)
(Imagem: Reprodução/Georgia Tech)

Os pesquisadores contam que o objetivo era projetar um método para a vacinação contra covid-19 que usasse um dispositivo simples. No estudo, eles selecionaram uma vacina experimental de DNA contra a doença em questão. A equipe afirma que o dispositivo também deve funcionar para vacinas mRNA, que é justamente o novo foco das pesquisas.

O próximo passo envolve, ainda, encontrar maneiras de refinar o sistema, examinando como otimizar a resposta imunológica no local da pele. A previsão é que leve mais de cinco anos até que a invenção esteja pronta para ser usada de fato. O estudo completo pode ser encontrado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos