Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,36
    +0,59 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.864,80
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    29.604,79
    +408,71 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    660,37
    +4,54 (+0,69%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.484,35
    -29,09 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.686,77
    -61,37 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    11.803,75
    +32,75 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1690
    -0,0032 (-0,06%)
     

Pesquisador recebe R$ 540 mil da Apple após hackear câmera de notebook

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Notebook da Apple
Esta é uma das maiores recompensas já pagas pela Apple

(Budrul Chukrut/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

  • Doutorando norte-americano recebe R$ 540 mil da Apple

  • Ryan Pickren descobriu falhas de segurança Mac que permitiam a invasão por parte de criminosos

  • Problemas já foram solucionados

Um pesquisador norte-americano recebeu uma das maiores recompensas já pagas pela Apple após conseguir hackear a webcam de um Mac. Ryan Pickren, doutorando em cibersegurança, levou para casa nada menos que US$ 100 mil (R$ 540 mil) ao relatar quatro falhas de segurança.

Leia também:

O estudante, que trabalha no Georgia Institute of Technology, conseguiu acesso à câmera e a outras funções dentro do notebook, como acesso a cada site visitado pelo dono do aparelho, o que permite roubo de logins de redes sociais e credenciais de bancos. As falhas foram enviadas para a Apple e divulgadas somente depois de terem sido solucionadas.

Esta não é a primeira vez que Pickren descobre problemas nos sistemas da empresa. Em 2019, ele recebeu US$ 75 mil (R$ 405 mil) ao hackear a câmera do iPhone.

Invasão ao sistema

Para descobrir a falha, Pickren teve que se debruçar em muito estudo e encarar várias tentativas até conseguir provar que o problema existia.

A invasão é feita por meio do serviço de compartilhamento iCloud, conhecido como ShareBear, e do navegador Safari 15. Para que aconteça, a vítima tem que clicar em um anexo no site; como o ataque ocorre dentro da nuvem, o criminoso conseguia burlar os sistemas de varredura e segurança da Apple e fingir que o malware é um arquivo comum.

As informações são do TecMundo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos