Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    -0,22 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.749,80
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    44.410,56
    +722,67 (+1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.110,02
    +1,09 (+0,10%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.458,06
    -52,92 (-0,22%)
     
  • NIKKEI

    30.183,72
    +544,32 (+1,84%)
     
  • NASDAQ

    15.293,75
    -9,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2249
    -0,0001 (-0,00%)
     

Pesquisador descobre como criar buracos de minhoca — mas há um porém!

·2 minuto de leitura

Embora não seja possível avançar ou retroceder no tempo viajando à velocidade da luz, há outras propostas interessantes para se deslocar no espaço e visitar nossos avós no passado distante. Talvez a mais famosa das propostas seja o buraco de minhoca, uma espécie de túnel no espaço-tempo que liga dois pontos no universo, criando um atalho entre eles. Por enquanto, esses atalhos parecem impossíveis, mas um novo estudo mostra que talvez tudo o que precisamos seja uma compreensão aprimorada da gravidade.

Para fazer o seu próprio buraco de minhoca na sua casa, você precisa apenas de um bom conhecimento da Teoria da Relatividade Geral e suas fórmulas matemáticas. Isso, em tese, permitiria chegar a resultados teóricos bem satisfatórios, porém seu buraco seria instável e colapsaria quando o primeiro fóton entrasse por ele. Felizmente, esse problema pode ser resolvido com um bocado de algo conhecido como “matéria exótica”.

Essa matéria exótica é algo que tem massa negativa e, portanto, pode ser convertida em energia negativa. Com isso, nosso buraco de minhoca ficaria estável o suficiente para que algum objeto possa atravessá-lo. O problema: não temos evidência de que esse tipo de matéria exista no universo. Entretanto, isso não impede o físico português João Rosa de tentar encontrar outras maneiras de tornar os buracos de minhocas reais.

Conceito do tecido espaço-tempo dobrado sobre si mesmo em um buraco de minhoca (Imagem: Reprodução/ESO/L. Calçada)
Conceito do tecido espaço-tempo dobrado sobre si mesmo em um buraco de minhoca (Imagem: Reprodução/ESO/L. Calçada)

Para superar os obstáculos, Rosa precisa encarar um grande desafio. É que toda a matemática usada para criar buracos de minhoca teóricos é baseada na Relatividade Geral, mas essa teoria em si já tem suas limitações. Por exemplo, ela é incapaz de descrever os centros dos buracos negros e ainda não é compatível com a física quântica. Isso não significa que Einstein estava errado, mas talvez alguma coisa esteja faltando — por isso muitos físicos estão tentando “quebrar” a Relatividade Geral.

Em seu novo artigo, publicado no arXiv e ainda aguardando revisão de pares, Rosa usou uma forma ajustada da teoria de Einstein, chamada gravidade híbrida generalizada-Palatini. É uma hipótese que se baseia na Relatividade Geral, mas permite mais flexibilidade nas relações entre matéria/energia e espaço/tempo. Ela também permite buracos de minhoca atravessáveis, mas também exige energia negativa fora da “garganta” do buraco.

Contudo, Rosa encontrou uma maneira inteligente de “driblar” essas restrições. Ele descobriu que ao colocar as entradas dos buracos de minhoca em camadas, como cascas de cebola duplas e finas, feitas de matéria comum, o buraco de minhoca se torna atravessável — sem precisar de qualquer energia negativa ou matéria exótica. Isso parece um grande avanço, embora dependa do quão a gravidade híbrida generalizada é válida.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos