Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,47 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,20 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,52
    -0,19 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.790,70
    -20,50 (-1,13%)
     
  • BTC-USD

    18.082,91
    +314,86 (+1,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,87 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,28 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,41 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.273,25
    +121,00 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3922
    +0,0523 (+0,82%)
     

Pesquisa XP/Ipespe: 53% dos brasileiros acham que pior da pandemia ainda está por vir

Malu Delgado
·1 minuto de leitura

Desempenho do presidente no combate ao coronavírus é desaprovado por 52% dos entrevistados Um volume significativo da população brasileira segue assustado com a disseminação do coronavírus no Brasil. Segundo pesquisa XP/Ipespe divulgada hoje, 53% dos entrevistados acham que o pior da pandemia de covid-19 ainda está por vir. Para 39%, o pior já passou e 8% não souberam responder. De acordo com 52% dos brasileiros consultados na amostra, o desempenho do presidente Jair Bolsonaro para enfrentar o coronavírus é ruim ou péssimo. O pior momento da avaliação do governo foi em maio, quando 58% faziam uma avaliação negativa da postura de Bolsonaro no combate à pandemia. Já a avaliação dos governadores, que em abril era mais positiva, está caindo. Agora, 28% acham o desempenho dos governadores no combate à doença ruim ou péssimo, enquanto 39% acham ótimo e bom. Em abril, os governadores eram melhor avaliados: 59% consideravam ótimas ou boas as ações dos gestores locais, enquanto apenas 14% faziam uma avaliação negativa. A amostragem ouviu 1.000 pessoas entre os dias 13 e 15 de julho e tem margem de erro de 3,2 pontos percentuais. A população está um pouco mais otimista, mas o percentual de apreensão com a doença ainda é elevado: Em abril, 68% achavam que o pior estaria por vir. Entre os entrevistados, 38% disseram estar com muito medo do surto da doença, 37% manifestaram um pouco de medo e 24% disseram não ter medo do coronavírus. O apoio dos entrevistados à flexibilização do isolamento social subiu, passando de 52% em junho para 58% em julho. Porém, outros 37% disseram discordar de medidas para flexibilizar o isolamento social. Moradores de São Paulo usam máscara contra o coronavírus Rovena Rosa/Agência Brasil