Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.485,43
    -1.692,12 (-1,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.828,15
    -335,86 (-0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,49
    -1,52 (-1,88%)
     
  • OURO

    1.929,00
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    23.302,21
    +175,86 (+0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    529,11
    +12,11 (+2,34%)
     
  • S&P500

    4.089,12
    +28,69 (+0,71%)
     
  • DOW JONES

    34.101,68
    +152,27 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.290,00
    +183,25 (+1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5472
    +0,0275 (+0,50%)
     

Pesquisa mostra que trabalhadores do setor de tecnologia estão infelizes

Trabalhadores da tecnologia estão vivendo um momento de
Trabalhadores da tecnologia estão vivendo um momento de "precariedade econômica"
  • Empresas como Meta e Amazon estão com dificuldades de reter seus funcionários;

  • Trabalhadores da tecnologia estão vivendo um momento de "precariedade econômica";

  • Dados tem origem em pesquisas internas das próprias empresas.

Pesquisas internas das grandes empresas de tecnologia, como Amazon, Google, Microsoft e Meta, mostraram que seus trabalhadores estão cada vez mais insatisfeitos com seus salários e com as lideranças das empresas.

Analistas do setor apontam que dado o contexto atual de queda nas ações relacionadas à tecnologia e a maior competitividade no mercado de trabalho, é improvável que esse sentimento melhorará. Apesar de nos últimos anos, com a pandemia, os trabalhadores de tecnologia terem visto uma grande valorização de seus trabalhos, o momento atual é de "precariedade econômica", afirmou Dan Wang, professor na Faculdade de Administração de Columbia.

Na Amazon, uma pesquisa interna de 2021 revelou que 44,6% dos funcionários que buscavam um novo emprego citaram o salário base da empresa como motivo. Como resposta, a Amazon anunciou que iria aumentar o teto do pagamento base de US$ 160 mil para US$ 350 mil anuais. No entanto, muitos funcionários reclamaram afirmando que isto é mais um golpe de relações públicas do que um compromisso verdadeiro, visto que o aumento é válido apenas para o teto, e não vai impactar muitos funcionários.

Enquanto isso, os preços da Amazon nos Estados Unidos já caíram mais de 40% em relação a alta histórica, o que prejudica ainda mais ações distribuídas como bônus para funcionários. “Não vale mais a pena ficar aqui”, disse um funcionário da Amazon à revista Business Insider.

no Google, cerca de 47% dos empregados veem suas remunerações como abaixo da média para o setor. No ano passado esse número era de 37%. Na Microsoft a situação é a mesma, com 34% dos funcionários acreditando não ter sido "um bom negócio" ir trabalhar na Microsoft.

Embora a Microsoft tenha anunciado aumentos baseados em desempenho e pacotes de ações, muitos dos trabalhadores reclamaram, afirmando que receber ações ao invés de dinheiro é uma maneira de "nos manter ainda mais acorrentados à Microsoft".

Na Meta, o problema parece ser ainda mais embaixo, com os trabalhadores criticando abertamente as ações dos líderes das empresas em meio a escândalos de manipulação política, conhecimento sobre efeitos danosos, depoimentos no Congresso americano, e multas na agência de proteção ao consumidor dos Estados Unidos.

A empresa também foi a primeira dos grandes nomes da tecnologia a congelar as contratações, aumentando as preocupações de que um período de demissões está se aproximando. Desde então a Microsoft, Twitter, Salesforce e Uber também fizeram movimentos parecidos.