Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.248,47
    -240,19 (-1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Salário mínimo ideal no Brasil seria de quase R$ 6 mil

·2 min de leitura
Considerando as despesas mensais com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o valor ideal seria de R$ 5.997,14 (Getty Images)
Considerando as despesas mensais com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o valor ideal seria de R$ 5.997,14 (Getty Images)
  • Pelo segundo ano consecutivo, salário mínimo fica sem aumento real

  • Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos é feita desde 1959

  • Valor ideal teve aumento de 3,4% em relação à estimativa feita para dezembro de 2021

É difícil saber, ao certo, quanto seria necessário para se viver "bem" no Brasil. O que é sabe, é que o salário mínimo atual - de R$ 1.212, que sequer teve aumento real neste ano - não atende às expectativas. De acordo com os dados levantados pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo ideal para uma família de quatro pessoas deveria ter sido de R$ 5.997,14 em janeiro - 4,95 vezes o piso federal atual. A Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, feita desde o longínquo ano de 1959, é baseada nos preços coletados para o cálculo do Índice de Custo de Vida (ICV).

Leia também:

Custo de vida em São Paulo é o maior do país

Ainda segundo os dados do Dieese, a cesta básica de São Paulo - R$ 713 86 - é a mais cara do mês entre as 17 capitais que são analisadas na pesquisa nacional. Ou seja, para o trabalhador conseguir se sustentar - e adquirir os produtos alimentícios básicos - é necessário comprometer mais de 55% do salário mínimo atual. Até por isso, considerando as despesas mensais com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o valor ideal seria de R$ 5.997,14 - um aumento de 3,4% em relação à estimativa feita para dezembro de 2021.

Aumento nos preços

O Departamento que analisa tais valores também registrou um aumento no valor dos produtos tidos como 'essenciais' - presentes em uma cesta básica -, em 16 das 17 capitais nas quais a pesquisa é realizada. Em Brasília, por exemplo, o crescimento dos preços atingiu 6,36% no último mês. Enquanto que em Natal, levando em consideração o último ano, a alta acumulada foi de 21,25%. Mas, é em São Paulo que ainda está a cesta básica mais cara do país, no valor de R$ 713,86 - seguida por Florianópolis (R$ 695,59), Rio de Janeiro (R$ 692,83), Vitória (R$ 677,54) e Porto Alegre (R$ 673,00).

Aumento real do salário mínimo

Pelo segundo ano consecutivo, o salário mínimo ficou sem aumento real - aquele que é dado acima da inflação. A correção de 10,18% - que corresponde a um aumento de R$ 112 em relação ao montante que vigorou em 2021 - em relação ao valor atualmente em vigor não superou a alta da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos