Mercado abrirá em 2 h 51 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,20
    +1,02 (+1,69%)
     
  • OURO

    1.742,90
    -4,70 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    63.923,58
    +1.313,14 (+2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.376,97
    +82,98 (+6,41%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.906,93
    +16,44 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.001,50
    +25,75 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8340
    +0,0028 (+0,04%)
     

Pesquisa mostra que 70% dos brasileiros têm medo de serem espionados pela webcam

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

Se você está trabalhando de casa, são altíssimas as chances de você participar de videoconferências com certa frequência. Mas você já parou para pensar que um dentre aqueles vários softwares e aplicativos instalados para se comunicar com seus colegas remotos pode estar sendo usado para espioná-lo? Caso sim, saiba que você não é paranoico — 70% dos brasileiros se preocupam com exatamente a mesma coisa.

É isto que revela um novo estudo divulgado pela Kaspersky — de acordo com a empresa russa, por mais que um em cada sete brasileiros (15%) sempre concede autorização para que aplicativos e serviços utilizem sua webcam, 73% deles se preocupam em serem monitorados indevidamente por algum programa malicioso. A média geral de preocupação levando em consideração toda a América Latina é de 60%.

“Muitas pessoas ainda não estão familiarizadas com os protocolos de segurança relacionados ao uso de webcams. No entanto, observamos uma tendência positiva no aumento da conscientização da cibersegurança, já que os internautas começaram a tomar medidas preventivas e verificar as permissões antes de autorizar o acesso à câmera e ao microfone”, explica Fabio Assolini, analista de segurança da Kaspersky no Brasil.

“Esperamos que o aumento da consciência em relação à cibersegurança seja respaldada por treinamentos organizados pelas empresas para seus funcionários – especialmente porque dispositivos de áudio e vídeo agora são amplamente usados para o trabalho remoto”, finaliza o especialista. Vale lembrar que o mercado já dispõe de webcam covers (ou “tampas de webcam”), que são relativamente baratas e resolvem bem o problema.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: