Mercado fechará em 1 h 25 min
  • BOVESPA

    111.852,61
    +3.070,46 (+2,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,73
    -812,60 (-1,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,22
    +0,98 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.764,00
    +8,70 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    16.379,96
    +121,09 (+0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,54
    -2,18 (-0,56%)
     
  • S&P500

    3.948,54
    -15,40 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    33.748,03
    -101,43 (-0,30%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.514,25
    -102,00 (-0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4697
    -0,0795 (-1,43%)
     

Pesquisa mostra para bancos que brasileiro acha normal inflar renda ao pedir empréstimo

***ARQUIVO***São Paulo, SP, Brasil, 21-02-2019: Cédulas de real. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***São Paulo, SP, Brasil, 21-02-2019: Cédulas de real. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Uma pesquisa feita pela Fico, empresa que desenvolve softwares de gestão para instituições financeiras, mostrou a disposição do brasileiro a mentir, inflando sua renda mensal, para conseguir mais crédito junto a bancos ou financeiras.

Mais de 1.000 brasileiros foram ouvidos e cerca de 40% consideram ser "normal" ou "aceitável" esse tipo de manobra.

Para a Fico, a tendência pode indicar problemas para os bancos no médio e longo prazo -dificuldade do cliente para quitar empréstimos.

Embora já tenha feito a pesquisa nos anos anteriores, esta é a primeira vez que a companhia perguntou aos entrevistados sobre a legitimidade da manipulação dos dados para conseguir crédito.

A pergunta foi feita em um momento de alta na oferta do crédito e também da inadimplência para pessoas físicas em empréstimos.

Levantamento recente da Febraban mostrou que, no crédito livre, a retomada da economia puxou o consumo, que beneficiou linhas como o cartão de crédito e o empréstimo pessoal.

Esse componente encorpou a projeção da carteira de pessoas físicas com recursos livres –que passou de 17,2% para 18,2%.

Em contrapartida, a expectativa de crescimento da inadimplência passou de 3,9% para 4,3% Atualmente, a inadimplência da carteira está em 4,0%.