Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,07
    -0,59 (-0,71%)
     
  • OURO

    1.798,30
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    58.818,66
    -1.598,17 (-2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.406,02
    -68,31 (-4,63%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.593,00
    +48,00 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4252
    -0,0289 (-0,45%)
     

Pesquisa da Fifa aponta que torcedores querem Copa do Mundo 'mais frequente'

·1 minuto de leitura
Coreia do Norte não vai mais participar das Eliminatórias Asiáticasa para a Copa do Mundo de 2022 (AFP/Kurt SCHORRER)

Uma pesquisa realizada on-line pela Fifa aponta que os torcedores querem a realização da Copa do Mundo num intervalo de tempo menor, com "mais frequência", divulgou nesta quinta-feira a entidade que comanda o futebol mundial.

De acordo com este levantamento feito pela IRIS / YouGov que contou com a participação de mais de 15 mil pessoas "interessadas em futebol", a maioria quer ver com mais frequência a principal competição da Fifa, em vez de a cada quatro anos.

De qualquer forma, a pesquisa mostra fortes diferenças de acordo com as áreas geográficas e a idade dos interlocutores: os mais favoráveis a uma Copa do Mundo a cada dois anos são "as gerações jovens" e os "mercados em desenvolvimento", enquanto os mais veteranos amantes do futebol continuam presos à tradição.

Essa constatação deverá ser comparada com uma futura "pesquisa com 100 mil pessoas" em uma centena de países, explicou a entidade, que lançou a iniciativa altamente polêmica para modificar o calendário internacional.

O diretor de desenvolvimento da Fifa, Arsene Wenger, defende uma Copa do Mundo a cada dois anos desde março, em alternância com torneios continentais, como a Eurocopa ou a Copa América.

No papel, o projeto promete distribuir mais receitas para as federações, um argumento particularmente sedutor para confederações africanas ou asiáticas, mais dependentes desse dinheiro do que o próspero futebol europeu.

No entanto, o projeto esbarra na hostilidade da Uefa, Conmebol, do Fórum das Ligas Mundiais e da poderosa Associação Europeia de Clubes, que já lutam contra um calendário sobrecarregado.

cfe/psr/lca

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos