Mercado fechará em 2 h 2 min
  • BOVESPA

    122.900,37
    -2.774,96 (-2,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.099,64
    -534,96 (-1,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,14
    +0,52 (+0,71%)
     
  • OURO

    1.817,70
    -18,10 (-0,99%)
     
  • BTC-USD

    39.015,30
    -787,04 (-1,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    928,21
    -21,69 (-2,28%)
     
  • S&P500

    4.400,66
    -18,49 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    34.957,35
    -127,18 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.958,25
    -79,50 (-0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1371
    +0,0966 (+1,60%)
     

Pesquisa com vacina da Pfizer contra a COVID-19 revela efeitos colaterais; veja

·2 minuto de leitura

Na corrida por um imunizante contra a COVID-19, mais detalhes sobre a eficácia e segurança das fórmulas começam a aparecer. Na terça-feira (15), a farmacêutica norte-americana Pfizer anunciou alguns resultados preliminares da terceira e última fase da pesquisa sobre a vacina contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Segundo as análises, alguns voluntários do estudo demonstraram efeitos colaterais leves e moderados.

No estudo da Pfizer em parceria com a alemã BioNTech, mais de 12 mil participantes já receberam uma segunda dose da vacina, segundo a agência de notícias Reuters. No total, o estudo clínico deve envolver até 44 mil pessoas. No entanto, não foi explicado em qual dos grupos da pesquisa os efeitos colaterais foram confirmados.

Efeitos colaterais leves e moderados são relatados em pesquisa com vacina da Pfizer contra COVID-19 (Imagem: Reprodução/Heung Soon/Pixabay)
Efeitos colaterais leves e moderados são relatados em pesquisa com vacina da Pfizer contra COVID-19 (Imagem: Reprodução/Heung Soon/Pixabay)

Isso porque, em pesquisas de fase 3, os responsáveis pelo estudo e nem os pacientes sabem se estão recebendo a vacina contra a COVID-19 ou um placebo (substância sem efeito relacionado ao coronavírus).

Entre os efeitos colaterais relatados, foram identificados fadiga, dor de cabeça, calafrios e dores musculares. Além disso, alguns participantes do ensaio também apresentaram febre. Inclusive, quadros com febres altas.

Segurança de vacina contra a COVID-19

Independente aos efeitos leves e moderados, a Pfizer assegura avaliações de segurança e tolerabilidade da vacina durante todo o estudo. Para isso, há um comitê independente que monitora esses dados e pode recomendar a pausa da pesquisa a qualquer momento, diante de alguma reação adversa grave. Segundo a farmacêutica, isso não aconteceu até o momento.

Se os responsáveis pelo estudo e os pacientes não sabem o que recebem, isso não é segredo para o comitê independente de segurança. Segundo Kathrin Jansen, chefe de pesquisa e desenvolvimento de vacinas da farmacêutica, o comitê "tem acesso a dados não ocultos para que eles nos notifiquem se tiverem alguma preocupação com a segurança, e não o fizeram até o momento".

Curiosamente, os relatos se tornaram públicos uma semana depois que os ensaios do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca foram suspensos temporariamente. Depois que se verificou que o efeito adverso grave não estava associado à fórmula da vacina por um comitê independente, as pesquisas puderam retomar, inclusive no Brasil — mas exceto nos EUA.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos