Mercado fechará em 4 h 53 min
  • BOVESPA

    100.998,83
    +2.326,57 (+2,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.797,00
    +55,50 (+0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,08
    +1,46 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.826,40
    -3,90 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    20.796,71
    -586,65 (-2,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,24
    -8,55 (-1,85%)
     
  • S&P500

    3.915,29
    +3,55 (+0,09%)
     
  • DOW JONES

    31.522,63
    +21,95 (+0,07%)
     
  • FTSE

    7.261,51
    +52,70 (+0,73%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.136,75
    -3,75 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5279
    -0,0245 (-0,44%)
     

Pesquisa: brasileiros investem mais em criptomoedas do que franceses e ingleses

Relatório da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra que no Brasil, quando se fala em investimentos, ainda há um maior favoritismo pela segurança da poupança e das aplicações em renda fixa. A pesquisa mostra que 37,5% e 21% dos entrevistados têm preferência por essas opções, respectivamente. E quando se trata na destinação de dinheiro em criptomoedas, os brasileiros estariam à frente de países como França e Inglaterra.

O levantamento "Riscos relevantes para o investidor brasileiro, francês e inglês" aborda os perfis de investidores dos três países e teve a participação de 595 entrevistados, sendo 200 brasileiros, 198 franceses e 197 ingleses. Cerca de 14,5% dos empreendedores nacionais disseram que costumam aplicar dinheiro em criptomoedas — um percentual bastante superior em relação aos europeus. Apenas 3% dos franceses e 1,5% dos ingleses disseram destinar verba em moedas digitais.

A pesquisa também abordou o percentual de pessoas que preferem as criptomoedas em vez de outras opções do mercado tradicional, como ações de bolsa de valores, fundos de investimento e outras alternativas de renda variável e ativos de risco. Nessa questão, os ingleses ficaram à frente, com 17,5% assumindo predileção pelas moedas digitais, à frente dos brasileiros (16,1%) e dos franceses (12,6%).

Outros aspectos interessantes da pesquisa mostram que os brasileiros costumam buscar resultados de curto prazo, preferindo ativos com retorno rápido; e que geralmente seguem as recomendações dos gerentes de bancos, enquanto os investidores dos países europeus normalmente seguem escolhas próprias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos