Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.200,79
    -3.051,99 (-6,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,99 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,29 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7636
    +0,0247 (+0,37%)
     

Pesquisa brasileira: coronavírus pode infectar pelo ar em ambientes fechados

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Desde o ano passado, autoridades de saúde alertavam para o risco do novo coronavírus (SARS-CoV-2) permanecer no ar e, dessa forma, contaminar pessoas saudáveis. Agora, uma equipe de pesquisadores brasileiros da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) comprovaram a presença do vírus da COVID-19 nas partículas do ar, o que acende alerta sobre os riscos de contágio em ambientes com pouca ventilação.

O estudo sobre a presença do coronavírus no ar, desenvolvido pelos pesquisadores do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN) da UFMG, foi publicado na revista científica Environmental Research. Segundo o pesquisador Ricardo Passos, “os principais resultados dessa etapa da pesquisa são importantes, porque apresentam evidências, baseadas em métodos científicos, da presença de coronavírus em aerossóis. Mais uma comprovação científica de que o coronavírus pode estar no ar”.

Pesquisadores verificam que o coronavírus pode permanecer no ar em ambientes fechados (Imagem: Reprodução/ Daniel Roberts/ Pixabay)
Pesquisadores verificam que o coronavírus pode permanecer no ar em ambientes fechados (Imagem: Reprodução/ Daniel Roberts/ Pixabay)

Como o coronavírus fica no ar?

Vale explicar que os aerossóis são partículas microscópicas e invisíveis. Com o baixo peso e massa, eles tendem a permanecer suspensos no ar. Para avaliar se o coronavírus se enquadraria nessa perspectiva, os pesquisadores analisaram dois hospitais de Belo Horizonte, em dois momentos diferentes, entre 25 de maio e 4 de junho em um hospital e entre 9 de junho e 17 de julho no outro. Além disso, foram avaliados ambientes externos, como pontos de ônibus, estacionamentos e calçadas.

A escolha da realização da pesquisa em hospitais não se deu ao acaso. “Para comprovar a presença desse vírus no ar, a gente usou ambientes hospitalares como modelo, como ambiente controlado, em que a gente que havia a presença de pacientes contaminados, ou seja, uma fonte de aerossóis contaminados e também que haveria o controle rigoroso quanto ao uso de EPIs pela equipe do hospital”, comenta Passos.

Após selecionar os ambientes que seriam analisados, os pesquisadores utilizaram equipamentos específicos para sugar o ar e fazê-lo passar em membranas filtrantes. Com a coleta das amostras, o estudo foi capaz de verificar a presença do coronavírus em algumas das amostras coletadas. De acordo com Passos, em uma das salas onde o vírus da COVID-19 foi encontrado havia ventilação natural, mas pouca circulação do ar. Por outro lado, não identificaram o coronavírus em nenhuma amostra coletada em ambientes externos.

O risco dos ambientes fechados

Após a comprovação de ambientes fechados trazem mais riscos para contaminação pelo coronavírus, o pesquisador pensa que deveriam ser pensadas estratégias mais efetivas para evitar a transmissão da COVID-19 através da rota aérea. Afinal, o coronavírus pode se espalhar pelo ar, quando uma pessoa está respirando ou falando, por exemplo.

“Esses aerossóis que são gerados podem se acumular nesses ambientes e vir a constituir uma fonte muito significativa de contaminação”, afirma Passos. “Não é tarde para pensar em medidas mais efetivas. (...) Se tiver que concentrar investimento, pensar em situação de mais risco, teria que pensar em priorizar a circulação do ar”, completa o pesquisador sobre formas de combate ao coronavírus.

Para acessar o artigo completo, publicado na revista científica Environmental Research, clique aqui.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: