Mercado fechará em 44 mins
  • BOVESPA

    112.165,46
    +2.447,52 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.634,05
    +173,50 (+0,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,71
    -2,63 (-2,79%)
     
  • OURO

    1.816,70
    +9,50 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    24.183,23
    +53,54 (+0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    575,50
    +4,22 (+0,74%)
     
  • S&P500

    4.271,96
    +64,69 (+1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.708,84
    +372,17 (+1,12%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.549,00
    +237,75 (+1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1992
    -0,1245 (-2,34%)
     

Pesquisa do BofA mostra investidor mais pessimista com Brasil

.

SÃO PAULO (Reuters) - Investidores estão mais pessimistas em relação aos ativos brasileiros, citando fatores externos como os principais riscos de cauda para o mercado doméstico, mas também preocupados com o cenário fiscal do país e atentos à eleição presidencial, segundo pesquisa do BofA Securities divulgada nesta terça-feira.

Dois terços dos consultados esperam o Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, entre 95 mil e 100 mil pontos no fim do ano, contra previsão entre 110 mil e 130 mil no mês passado.

O setor financeiro é o segmento mais 'overweight', enquanto a alocação em commodities diminuiu. Apenas 16% afirmaram estar 'overweight' em matérias-primas (de 32% no mês passado) e apenas 26% em energia (de 52% na pesquisa anterior). Consumo discricionário continuava sendo o setor mais 'underweight'.

Para a taxa de câmbio, o real é esperado entre 5,1 e 5,4 por dólar, de 4,8 a 5,1 por dólar anteriormente. Agora, 71% esperam um dólar mais forte em 2022, contra 35% na pesquisa de junho. No caso da taxa Selic, a maioria dos entrevistados espera que fique entre 13,5% e 13,75% ao ano.

No cenário externo, os principais riscos seriam o movimento dos juros nos Estados Unidos, a desaceleração da economia norte-americana e eventos na China que possam afetar os preços das commodities.

Do lado político brasileiro, a pesquisa mostrou que 40% dos investidores pesquisados se preocupam com os planos fiscais após as eleições, uma vez que os dois principais candidatos vêm falando sobre mudanças no teto de gastos, enquanto 45% já estão preocupados com a situação das contas públicas no curto prazo.

A maioria dos consultados na pesquisa espera que o mercado reaja às pesquisas eleitorais.

O levantamento considera a visão de 31 participantes, com aproximadamente 47 bilhões de dólares em ativos sob gestão.

(Por Paula Arend Laier)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos