Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.119,91
    -489,34 (-0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Pesquisa do BCE aponta crescimento mais lento e inflação acelerada este ano

·1 minuto de leitura
Logo do BCE em Frankfurt, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - A economia da zona do euro crescerá mais devagar do que se esperava este ano e um avanço temporário na inflação provavelmente excederá a projeção anterior, mostrou uma pesquisa do Banco Central Europeu (BCE) nesta sexta-feira.

O BCE deixou sua política econômica inalterada na quinta-feira, argumentando que o estímulo abundante ainda é necessário para uma economia prejudicada, passando por mais uma onda da pandemia de coronavírus que mantém grande parte do setor de serviços fechado.

Mas com as vacinações finalmente progredindo, é provável que a economia cresça rapidamente nos próximos trimestres, mesmo que essa recuperação seja vista agora um pouco atrasada, mostrou a edição mais recente da pesquisa do BCE com analistas profissionais, contribuição importante nas deliberações de política econômica.

A economia da zona do euro deve se expandir 4,2% este ano, abaixo da projeção anterior de 4,4%, mas a perspectiva de crescimento do próximo ano subiu de 3,7% para 4,1%, indicando que a recuperação econômica pode ser mais acentuada do que visto anteriormente.

A inflação deste ano está calculada agora em 1,6%, segundo a pesquisa, acima da taxa de 0,9% projetada há três meses e acima da de 1,5% projetada pela equipe do BCE em março.

Mas as projeções para além de 2021 permaneceram inalteradas, com a previsão de 2025 ainda em 1,7%, abaixo da meta do BCE de quase 2%, indicando que o banco pode não alcançar sua meta por mais de uma década.

O próximo encontro do BCE será em 10 de junho e as autoridades terão que decidir se cortam o estímulo à medida que a recuperação econômica começa ou se mantêm o apoio, apesar da provável recuperação rápida.

(Por Balazs Koranyi)