Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,44
    +0,68 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.806,00
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    20.340,50
    +348,51 (+1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    435,53
    +4,06 (+0,94%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.261,52
    -131,52 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    11.514,75
    -14,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4973
    -0,0083 (-0,15%)
     

Pesquisa: 65% dos trabalhadores LGBTQIA+ dizem ter sofrido discriminação no trabalho

65% dos trabalhadores LGBTQIA+ já sofreram discriminação no trabalho, mostra levantamento. Foto: Getty Images.
65% dos trabalhadores LGBTQIA+ já sofreram discriminação no trabalho, mostra levantamento. Foto: Getty Images.
  • 65% dos profissionais LGBTQIA+ afirmam já ter sofrido discriminação no trabalho;

  • O estudo considerou discriminação toda atividade preconceituosa, incluindo posturas veladas, como ironias, piadas e insinuações jocosas;

  • O estudo aponta que a maior concentração de LGBTQIA+ está no Sudeste.

Levantamento feito pela consultoria Santo Caos com 20 mil trabalhadores de todo o Brasil mostra que 65% dos profissionais LGBTQIA+ alegam ter sofrido discriminação no trabalho. Enquanto isso, 28% dizem ter sido vítimas de assédio.

Ao considerar apenas as pessoas que se declaram trans, a taxa daquelas que foram alvo de discriminação sobe para 86%. Com bissexuais, a taxa chega a 72%.

Leia também:

O estudo considerou discriminação toda atividade preconceituosa, incluindo posturas veladas, como ironias, piadas e insinuações jocosas. A ofensa explícita foi classificada como assédio.

A pesquisa também aponta que 47% dos trabalhadores LGBTQIA+ têm renda média inferior a quatro salários mínimos. Em comparação, esse índice atinge 36% daqueles que não integram o segmento.

Já os assexuais ganham ainda menos, com 81% tendo renda abaixo de quatro salários mínimos. Enquanto isso, gays compõem o maior rendimento, com 20% tendo rendimentos maiores que dez salários mínimos.

O estudo aponta que a maior concentração de LGBTQIA+ está no Sudeste, com 62%, seguida por Nordeste e Sul, com 20% e 10%, respectivamente.

De acordo com o levantamento, 48% das pessoas do segmento revelaram a orientação sexual ou identidade de gênero no trabalho. Contudo, entre pessoas trans, o número diminui para 40%.

*Com informações do jornal Folha de S. Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos