Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.783,30
    +2.404,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.845,15
    +577,95 (+1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,87
    +1,81 (+4,20%)
     
  • OURO

    1.804,40
    -33,40 (-1,82%)
     
  • BTC-USD

    19.013,99
    +562,03 (+3,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    377,96
    +8,21 (+2,22%)
     
  • S&P500

    3.635,66
    +58,07 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.045,42
    +454,15 (+1,53%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.081,25
    +176,00 (+1,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3884
    -0,0519 (-0,81%)
     

Pesquisa: 12 milhões de famílias planejam comprar imóveis nos próximos dois anos

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Caucasian lawyer financial advisor or bank worker consulting family african millennial couple, real estate agent make loan property offer to spouses multiracial people gather in office sitting at desk
Caucasian lawyer financial advisor or bank worker consulting family african millennial couple, real estate agent make loan property offer to spouses multiracial people gather in office sitting at desk

Segundo dados obtidos a partir de pesquisa da empresa Datastore Series, que realiza levantamentos especializados no mercado imobiliário, mais de 12 milhões de famílias brasileiras planejam comprar um imóvel nos próximos anos. As informações foram reproduzidas pela revista Exame.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Segundo o CEO e fundador da Datastore, Marcus Araujo, esse número indica que há uma retomada no interesse por compra semelhante ao registrado no período pré-pandemia.

Leia também:

“Continuamos subindo, estamos com 12,1 milhões de famílias, praticamente o mesmo patamar de 15 de março. Todavia são grupos diferentes, a maioria destes compradores são novos, ou seja, chegaram durante a pandemia”, disse Araujo em entrevista à Exame.

Segundo a empresa, esses valores representam cerca de 23,9% do total do grupo pesquisado.

Na visão de Araujo, e apesar de a Europa viver uma segunda onda de casos da COVID-19 com novo lockdown, o “pior já passou” em relação aos impactos da pandemia sobre o mercado:

“Com a redução da taxa Selic e novos compradores e investidores chegando ao mercado, o especialista acredita na retomada rápida do setor. “A série histórica mostra, claramente, que o pior já passou, mas também aponta que somente a redução da taxa Selic não será decisiva. É preciso que haja retomada da economia, geração de novos empregos e controle da pandemia.”

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube