Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,10
    +0,19 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.866,80
    -12,80 (-0,68%)
     
  • BTC-USD

    39.279,16
    +3.502,91 (+9,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    979,90
    +38,09 (+4,04%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.076,47
    +127,74 (+0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.019,75
    +25,50 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1890
    -0,0036 (-0,06%)
     

Peru retoma aulas presenciais nas áreas rurais onde a pandemia diminuiu

·2 minuto de leitura
Crianças em ônibus no sul de Lima, na localidade de Ica, em dezembro de 2020

O Peru retomou aulas presenciais e combinadas em áreas rurais de quatro das 25 regiões do país pela primeira vez desde que a pandemia de coronavírus estourou no país há 14 meses, informou o Ministério da Educação nesta terça-feira (18).

“Em 15 de maio, as aulas presenciais e combinadas começaram em quatro regiões: Ucayali, Madre de Dios, Loreto e Arequipa”, informou o ministro da Educação, Ricardo Cuenca, durante uma conferência com a Associação de Imprensa Estrangeira do Peru.

Cerca de 26.400 alunos de 492 escolas voltaram às salas de aula, além dos 14 centros que voltaram a funcionar em abril, segundo autoridades educacionais peruanas.

O chefe do setor descartou as aulas presenciais em Lima ou em áreas urbanas porque é onde se registram mais infecções.

O início de aulas presenciais nas outras regiões está condicionado à diminuição dos casos de covid-19 e das condições de higiene nas escolas.

“Há uma previsão de que até junho o sistema de aulas presenciais seja expandido para 12 regiões”, acrescentou Cuenca.

O Peru suspendeu as aulas presenciais em março de 2020 devido ao início da pandemia, optando desde então pelo ensino a distância via rádio, televisão e internet.

As aulas a distância destacaram os problemas de conectividade de um país com uma geografia complexa e socialmente desigual.

“A educação a distância é um trabalho difícil no Peru devido a problemas estruturais”, lamentou o ministro. "As lacunas de desigualdade no país não foram fechadas nos indicadores educacionais”.

O acesso à internet nas escolas das áreas urbanas do Peru chega a quase 70%, enquanto nas áreas rurais chega a 30%, segundo dados do ministério.

No Peru, há oito milhões de alunos, dos quais 70% vivem em áreas urbanas.

Apesar de o Peru reabrir ginásios, restaurantes e cassinos com restrições, a grande maioria das escolas e igrejas permanecem fechadas.

“Talvez estejamos indo mais devagar do que alguns grupos gostariam” em termos de retorno total às aulas presenciais, admitiu o ministro.

“É preciso abrir aos poucos”, concluiu ao comparar o Peru com outros países da região que - apontou sem mencioná-los - retomaram as aulas presenciais e fecharam novamente.

Em 2020, pelo menos 300.000 alunos abandonaram o sistema educacional no Peru devido à necessidade de trabalhar e às dificuldades de acesso às aulas virtuais.

O Peru registra mais de 66.000 mortes por covid-19 e quase 1,9 milhão de casos confirmados da doença.

ljc/cm/dga/ap/am