Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,41
    -0,09 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.767,70
    -3,50 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    22.823,48
    -637,34 (-2,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,86
    -15,87 (-2,85%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.682,98
    -80,93 (-0,41%)
     
  • NIKKEI

    28.970,29
    +28,15 (+0,10%)
     
  • NASDAQ

    13.497,00
    -26,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2059
    -0,0079 (-0,15%)
     

Peru pode ter o terceiro impeachment de um presidente em apenas três anos

·2 min de leitura

O Congresso do Peru, controlado pela oposição de direita, define a partir desta terça-feira (7) se aceita debater um pedido de destituição do presidente de esquerda Pedro Castillo. O processo levaria novamente o país a um período de instabilidade e incertezas, após dois processos de impeachment em apenas três anos.

Esta é a quinta moção de julgamento político contra um presidente peruano nos últimos quatro anos. O mesmo tipo de processo já resultou na queda de dois chefes de Estado: Pedro Pablo Kuczynski, em 2018, e Martín Vizcarra, em 2020.

O socialista Castillo, de 52 anos, professor de origem rural que assumiu o poder em julho, virou alvo de críticas após um escândalo de suposta interferência de seu governo em promoções militares, o que motivou o pedido de sua destituição. Por este caso, ele também foi intimado a depor em 14 de dezembro à procuradora Zoraida Ávalos.

Se o debate sobre a destituição for aprovado, Castillo deve comparecer ao plenário, possivelmente na próxima semana, para apresentar sua defesa à acusação de "incapacidade moral". Depois, os 130 legisladores decidiriam sobre o impeachment, para o qual são necessários 87 votos.

A moção foi apresentada há duas semanas por três partidos de direita, incluindo o fujimorista. O presidente chegou a convocar um diálogo com os dirigentes da oposição, na tentativa de se salvar do que qualificou como uma moção "sem respaldo e com absoluta irresponsabilidade". No entanto, Keiko Fujimori e outros opositores se recusaram a falar com o chefe de Estado.

(Com informações da AFP)


Leia mais

Leia também:
Após derrota nas urnas, Keiko Fujimori enfrenta a Justiça peruana
Eleições no Chile colocam em xeque sistema político desde redemocratização, diz cientista político
Castillo toma posse com um desafio: provar que não quer transformar o Peru em uma nova Venezuela

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos