Mercado fechará em 2 h 11 min
  • BOVESPA

    130.243,82
    +802,79 (+0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.247,24
    -39,22 (-0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,89
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.866,10
    -13,50 (-0,72%)
     
  • BTC-USD

    40.216,57
    +2.858,83 (+7,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.004,09
    +35,25 (+3,64%)
     
  • S&P500

    4.237,58
    -9,86 (-0,23%)
     
  • DOW JONES

    34.245,19
    -234,41 (-0,68%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.057,25
    +63,00 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1386
    -0,0540 (-0,87%)
     

Peru estende proibição de uso de carros particulares aos domingos devido à pandemia

·1 minuto de leitura
A candidata presidencial peruana Keiko Fujimori em ato de campanha antes do segundo turno das eleições no Peru

O Peru estendeu até 20 de junho a proibição do uso de veículos particulares aos domingos, que vencia em 31 de maio, como forma de reduzir os deslocamentos e conter os casos de covid-19, que estão perto dos 2 milhões no país.

A norma, publicada nesta sexta-feira (28) no Diário Oficial da União, especifica, porém, que no domingo, 6 de junho, dia da eleição presidencial, a população poderá se dirigir às zonas eleitorais em seus carros.

A restrição abrange 193 das 196 províncias do país, que estão em níveis de alerta de saúde altos, muito altos ou extremos.

O governo afirma que essas proibições contribuem para que as pessoas não viajem longas distâncias para encontros sociais ou familiares aos domingos, que são uma fonte potencial de contágio da covid-19, pois promovem aglomerações e o relaxamento do distanciamento físico e do uso de máscaras.

O Peru vive uma segunda onda da pandemia, dominada pela variante brasileira do coronavírus, que é mais contagiosa segundo autoridades sanitárias.

A covid-19 já matou mais de 68 mil pessoas e infectou 1,9 milhão dos 33 milhões de habitantes do país sul-americano, de acordo com o Ministério da Saúde.

A vacinação segue em ritmo ainda lento desde seu início em fevereiro. Até 16 de maio, 1,05 milhão de pessoas foram imunizadas com as duas doses, o que representa apenas 3,2% da população.

ljc/ll/ic/mvv