Mercado fechará em 4 h 44 min
  • BOVESPA

    107.625,50
    -1.316,18 (-1,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,57
    -1,57 (-1,84%)
     
  • OURO

    1.836,50
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    33.250,28
    -2.553,49 (-7,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    753,38
    +510,70 (+210,44%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.363,79
    -130,34 (-1,74%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    -309,09 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.142,75
    -283,75 (-1,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2008
    +0,0108 (+0,17%)
     

Com redução de lotações e vacinação, Peru busca conter terceira onda de pandemia

·2 min de leitura
(Dez/2021) Seguranças conferem comprovantes de vacinação em mercado de Lima (AFP/Ernesto BENAVIDES)

O Peru, país com maior taxa de mortalidade por covid-19, busca conter a terceira onda da pandemia com redução de lotações, vacinação e testes, enquanto tenta evitar infecções em massa.

Na quarta-feira, o governo reduziu para 40% a capacidade dos shoppings, restaurantes e espaços fechados em 24 províncias do país, incluindo Lima classificada como de alto índice de contágios. Também prorrogou o toque de recolher entre 23h e 4h.

“Apelo à população para que continue a adotar medidas de biossegurança, respeite aferição e distanciamento”, disse a chefe de gabinete, Mirtha Vásquez, em entrevista coletiva.

“Estamos enfrentando essa onda com 80% de vacinados, porém a variante (ômicron) que chegou ao Peru é mais contagiosa”, acrescentou Vásquez após conselho de ministros.

O país andino registrou 8.687 novos casos confirmados em um dia na quarta-feira, o maior número em oito meses.

O Ministério da Saúde confirmou na terça-feira que o país vive uma nova onda da pandemia depois do Réveillon e do Natal.

As infecções se devem à disseminação da ômicron na capital Lima, Callao e em diferentes regiões do país, incluindo Arequipa, Junín, Ica, Pasco, Apurímac, Huancavelica, Ayacucho.

Sob o calor do verão de Lima, centenas de pessoas com sintomas formavam longas filas desde a madrugada para se testar e se vacinar.

“Minha esposa amanheceu com dor de garganta e um pouco de febre, então a trouxe para fazermos o teste", contou à AFP Alí Ayala, 59, em frente a um posto de saúde da capital.

“Tive febre e dor de cabeça nos últimos dias e me automediquei. Por causa do pânico, as pessoas não sabem o que fazer, nem a quem recorrer. Os hospitais sequer te aceitam", lamentou a estudante Isabel Román, 21.

O governo anunciou que irá reforçar o primeiro nível de atendimento hospitalar para atender à terceira onda da pandemia no país. Em dezembro, as infecções no Peru dobraram para 1.500 novos casos diários, e ontem esse número subiu para 5.100, 309 relacionados à Ômicron.

- Mortos não vacinados -

Segundo dados oficiais, "mais de 90% das mortes" ocorridas entre julho e dezembro de 2021 foram de pessoas não vacinadas, afirmou o ministro da Saúde, Hernando Cevallos. Ele destacou o reforço da campanha de vacinação, que atinge 80% da população-alvo, e indicou que no fim do mês terá início a vacinação de crianças de 5 a 11 anos.

O governo prorrogou até 31 de janeiro o estado de emergência em vigor há 21 meses devido à pandemia. O país, de 33 milhões de habitantes, registra a maior taxa de mortalidade do mundo, com 6.122 óbitos por milhão de habitantes, segundo um balanço da AFP com base em números oficiais.

O Peru soma mais de 2 milhões de casos de covid-19 e mais de 202.900 mortos desde o começo da pandemia.

cm/et/dl/lb/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos