Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,75
    +2,26 (+2,84%)
     
  • OURO

    1.672,20
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    19.259,14
    -41,40 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.016,50
    -19,00 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Perspectivas econômicas da China pioram por receios sobre setores-chave e Covid-19

Bandeira da China é vista em frente a prédio em Pequim

Por Ellen Zhang e Liangping Gao e Ryan Woo

PEQUIM (Reuters) - A fraqueza persistente no mercado imobiliário e no setor manufatureiro da China no mês passado, que juntos respondem por metade do Produto Interno Bruto (PIB) do país, renova os riscos para a recuperação econômica já ameaçada por interrupções causadas pelas restrições generalizadas da Covid-19.

Quase 70 cidades chinesas relataram quedas nos preços de novas moradias em agosto, a maior marca desde o início da pandemia da Covid-19, de acordo com a China Index Academy nesta quinta-feira, uma das maiores empresas independentes de pesquisa imobiliária da China.

Também nesta quinta-feira, uma pesquisa do setor privado mostrou que a atividade industrial da China contraiu pela primeira vez em três meses em agosto, em meio ao enfraquecimento da demanda, enquanto a falta de energia e novos surtos de Covid-19 interromperam a produção.

A segunda maior economia do mundo freou acentuadamente no segundo trimestre devido aos bloqueios generalizados da Covid-19. Evidências crescentes sugerem que a recuperação nascente no terceiro trimestre corre o risco de estagnar devido a novos surtos de Covid-19 e a uma perspectiva fraca prolongada para o setor imobiliário, levando os economistas a reduzir suas previsões para o PIB.

Os preços de novas moradias em 100 cidades pesquisadas pela China Index Academy caíram 0,01% em relação ao mês anterior, inalterados em relação a julho, refletindo o esfriamento contínuo do mercado imobiliário.

Em todo o país, as vendas de novas moradias por área útil caíram 32% em agosto em relação ao ano anterior, arrefecendo a queda ligeiramente ante baixa de 33% em julho e marcando o 13º mês de declínios de dois dígitos, mostrou um relatório separado da E-house China Research and Development Institution nesta quinta-feira.

Analistas dizem que o enfraquecimento dos preços continuará a afetar a confiança dos compradores de imóveis, prolongando a desaceleração imobiliária e sugerindo uma perda adicional no ímpeto econômico.

A leitura inesperadamente fraca na pesquisa privada do PMI Caixin nesta quinta-feira ecoou o PMI oficial divulgado na quarta-feira, que também está em território de contração.

A resiliência da manufatura chinesa, que representou 27,4% do PIB da China em 2021, desde o início da pandemia da Covid-19 manteve as cadeias de suprimentos globais em funcionamento.

Mas as restrições generalizadas da Covid-19 na China este ano com o surgimento da variante Ômicron estão ameaçando desequilibrar o setor.

(Reportagem de Ellen Zhang, Liangping Gao e Ryan Woo)