Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.523,03
    -985,32 (-1,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,79
    -0,76 (-0,89%)
     
  • OURO

    1.831,50
    -11,10 (-0,60%)
     
  • BTC-USD

    38.087,96
    -4.453,28 (-10,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    891,39
    +648,71 (+267,31%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.426,00
    -415,00 (-2,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1909
    +0,0608 (+0,99%)
     

Perspectiva para recuperação global é sombria, mostra pesquisa do Fórum Econômico Mundial

·2 min de leitura

(.)

Por Carolyn Cohn

LONDRES (Reuters) - Apenas um em cada dez membros do Fórum Econômico Mundial consultados numa pesquisa espera que a recuperação global acelere nos próximos três anos, segundo levantamento com quase mil líderes empresariais, governamentais e acadêmicos, com apenas um em cada seis otimista sobre a perspectiva do mundo.

A mudança climática foi vista como o perigo número um pelos entrevistados no relatório anual de riscos do Fórum divulgado nesta terça-feira, enquanto a erosão da coesão social, crises de subsistência e a deterioração da saúde mental foram identificadas como os riscos que mais aumentaram desde o início da pandemia de Covid-19.

"Os líderes globais devem se unir e adotar uma abordagem coordenada de múltiplas partes interessadas para enfrentar desafios globais implacáveis e construir resiliência antes da próxima crise", disse Saadia Zahidi, diretora-gerente do Fórum.

O clima extremo foi considerado o maior risco para o mundo no curto prazo, e, a médio e longo prazos-- dois a dez anos, a principal ameaça é um fracasso da ação climática, mostrou a pesquisa.

"A falha em agir sobre as mudanças climáticas pode reduzir o PIB global em um sexto e os compromissos assumidos na COP26 ainda não são suficientes para atingir a meta de (limitar o aquecimento global a) 1,5 (graus Celsius)", disse Peter Giger, chefe do grupo de risco da Zurich Insurance, que ajudou a compilar o relatório.

O relatório do Fórum também destacou quatro áreas de risco emergente --segurança cibernética, transição climática desordenada, pressões migratórias e competição no espaço.

Essa pesquisa é publicada todos os anos antes da reunião anual do Fórum, em Davos. No entanto, o órgão com sede em Genebra adiou no mês passado o evento de janeiro até meados de 2022, devido à disseminação da variante Ômicron do coronavírus.

O relatório foi produzido em conjunto com a Zurich, a Marsh McLennan e o SK Group, da Coreia do Sul, bem como com as universidades de Oxford e Pensilvânia e a Universidade Nacional de Cingapura.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos