Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.396,44
    -25,54 (-0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Perfume de Cleópatra é recriado por cientistas — e o cheiro é picante

Cleópatra é uma das figuras mais conhecidas da antiguidade, sendo representada como uma figura atraente e sedutora, muito embora acredite-se que as qualidades da governante egípcia que acabaram atraindo dois líderes romanos — Júlio César e Marco Antônio — estavam mais no campo da inteligência e destreza política.

Mas isso não quer dizer que ela não tivesse seus artifícios de beleza: na história antiga, o Egito era famoso por produzir aromas dos mais agradáveis, e, para descobrir se o perfume da monarca era tão bom a ponto de fazer os homens mais poderosos de sua época arriscarem metade de seu território por amor, cientistas buscaram recriá-lo a partir de receitas históricas, análise química e, por que não, um pouco de tentativa e erro.

O Egito antigo era famoso pelos seus perfumes, que, segundo relatos, eram muito agradáveis e duravam por vários anos (Imagem: Wirestock/Freepik)
O Egito antigo era famoso pelos seus perfumes, que, segundo relatos, eram muito agradáveis e duravam por vários anos (Imagem: Wirestock/Freepik)

Perfumes egípcios e sua fama

À época de Cleópatra VII, a mais famosa de seu nome, os egípcios já praticavam a arte da perfumaria há pelo menos 3.000 anos. Após sua morte, um livro de receitas das fragrâncias atribuído a ela surgiu, detalhando os ingredientes e processos que seriam reproduzidos por cientistas atuais 2.000 anos depois. O trabalho foi publicado em forma de estudo na revista científica Near Eastern Archaeology, no ano passado.

Segundo os cientistas, a base para os perfumes e unguentos egípcios era óleo vegetal ou gordura animal ao invés do uso moderno do álcool. As fragrâncias eram criadas pela fumaça da queima de resinas, cascas de árvore e ervas — a palavra perfume, aliás, vem do latim "per fumum", que significa "pela fumaça" — ou pela maceração de resinas, flores, ervas, especiarias e madeira molhadas.

O problema é que o significado exato dos hieróglifos com os quais as receitas foram escritas se perderam com o tempo. É possível saber, por exemplo, o nome dos óleos utilizados em ritos funerários e rituais, mas sua composição é incerta. Registros gregos e romanos são mais fáceis de se traduzir, mas são menos confiáveis, dado que foram escritos por estrangeiros e não pelos fabricantes originais das substâncias, mesmo que a dominação desses povos já durasse séculos.

Isso mudou com a descoberta do que parece ser uma fábrica de perfumes em Thmouis, uma extensão de Mendes, ou Ampete, antiga cidade do Egito cujos perfumes eram famosos por todo o Mediterrâneo. Ânforas de armazenamento de perfumes são tão abundantes no local que os arqueólogos acreditam se tratar de uso comercial, não doméstico. As moléculas dos jarros foram estudadas com raios X fluorescentes, incluindo o limo do Nilo utilizado para fazer as ânforas e os resíduos de seus conteúdos.

Ânfora egípcia encontrada em Mendes: era em jarros como esse que os perfumes era armazenados (Imagem: Ad Meskens/CC-BY-3.0)
Ânfora egípcia encontrada em Mendes: era em jarros como esse que os perfumes era armazenados (Imagem: Ad Meskens/CC-BY-3.0)

Eau de Cleopatra

Combinando os textos históricos e a química moderna, cientistas alemães testaram toda uma sorte de substâncias potencialmente utilizadas na época na tentativa de descobrir a famosa fragrância de Cleópatra. Após utilizar uma variedade de ingredientes e métodos de fabricação, o resultado reportado foi de um cheiro "extremamente agradável, com base picante de mirra recém-moída e canela, acompanhado de um toque doce".

O odor ainda persistiu por dois anos, o que corrobora relatos acerca da qualidade dos perfumes egípcios ser mantida mesmo quando transportados. Embora não tenhamos uma forma de confirmar com exatidão o perfume que a monarca ptolomaica utilizava, os visitantes da exibição "Rainhas do Egito" (Queens of Egypt) do National Geographic Museum, em 2019, tiveram a oportunidade de cheirar o afamado Eau de Cleopatra, nome com o qual os pesquisadores batizaram o aroma.

Além de cheiroso, o produto também tem outras qualidades, como compostos antifúngicos e antibacterianos que suprimem odores desagradáveis: é basicamente um combo de desodorante e perfume dos tempos antigos. O estudo é parte de um campo em expansão que procura criar cheiros antigos, e não só os bons — há projetos dos mesmos cientistas que procuram recriar cheiros urbanos como o das cortes reais, templos e oficinas que produziam desde sandálias até armas de guerra.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos