Mercado abrirá em 1 h 59 min

O perfil dos mortos pelo novo coronavírus: mais de 60 anos e com problemas de saúde

Por Eva XIAO
Os países ou territórios com casos confirmados da contaminação pelo 2019-nCoV

A primeira vítima mortal do coronavírus foi um homem de 60 anos com problemas de saúde, perfil semelhante ao das outras vítimas da pneumonia viral iniciada na China.

Desde que o governo chinês anunciou o surto em dezembro, esta doença semelhante à Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) matou 425 pessoas e infectou mais de 20.400.

Até agora, 80% dos mortos são pessoas com 60 anos de idade ou mais e 75% tinham doenças anteriores, como diabetes, informou nesta terça-feira a Comissão Nacional de Saúde da China (NHC).

A taxa de mortalidade permanece em 2,1%, de acordo com a comissão, um número muito inferior aos quase 10% da Sars que surgiu em 2002-2003 e matou 800 pessoas em todo o mundo.

No caso do coronavírus, 97% das vítimas eram da província de Hubei, de cuja capital, Wuhan, o coronavírus apareceu em um mercado que vendia animais vivos.

O governo chinês também indicou que entre as vítimas há pelo menos cinco pessoas com menos de 60 anos. O mais novo é um homem de 36 anos de Wuhan.

Fora de Hubei, a taxa de mortalidade é de 0,16%.

Até o momento, apenas duas mortes foram registradas fora da China continental: um homem de 39 anos em Hong Kong que havia viajado para Wuhan e um viajante chinês de Wuhan que morreu nas Filipinas.

Segundo o Comitê de Saúde da China, 632 pessoas se recuperaram da infecção.

Entre os 20.400 casos confirmados, o mais novo é um bebê de um mês da região chinesa de Guizhou (sul) e o mais velho é uma pessoa de 90 anos.

Segundo dados das autoridades sanitárias chinesas, os mortos tinham entre 36 e 89 anos. Cinco tinham menos de 60 anos.

A vítima mais jovem, o homem de 36 anos de Wuhan, foi hospitalizado em 9 de janeiro e morreu de ataque cardíaco duas semanas depois, segundo as autoridades de saúde de Hubei.

Entre os que se recuperaram, há um homem de 35 anos de Shenzhen, no sul da China, que recebeu alta na quinta-feira passada, segundo as autoridades locais, e um garoto de dez anos que ficou doente quando visitou parentes em Wuhan.

Muitas das vítimas fatais tinham problemas de saúde anteriores, como diabetes ou hipertensão.

Um dos falecidos era um homem de 86 anos, hospitalizado em 9 de janeiro, operado quatro anos antes de câncer de cólon e que também sofria de hipertensão e diabetes.

Outra vítima, uma mulher chamada Hu, tinha Parkinson, hipertensão e diabetes.

Embora em várias cidades chinesas haja controle de febre de passageiros que circulam por aeroportos, estações de trem e ônibus, muitas dos falecidos não apresentavam febre quando foram hospitalizadas, segundo o comitê de saúde.

Um homem de 66 anos chamado Luo tinha "tosse seca", mas não teve febre quando foi internado em 22 de dezembro. Em meados de janeiro, já precisava de respiração artificial.

"Está claro que algumas pessoas foram afetadas e infectadas com apenas alguns sintomas leves ou mesmo sem nenhum sintoma", disse o médico Jeremy Farrar, diretor da Wellcome Trust Foundation.