Mercado fechará em 3 h 6 min
  • BOVESPA

    113.242,46
    +969,45 (+0,86%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.465,40
    -56,03 (-0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,90
    +1,00 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.943,70
    +4,50 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    23.164,92
    +4,93 (+0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,59
    +6,80 (+1,31%)
     
  • S&P500

    4.038,78
    +21,01 (+0,52%)
     
  • DOW JONES

    33.778,50
    +61,41 (+0,18%)
     
  • FTSE

    7.769,31
    -15,56 (-0,20%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.060,00
    +92,00 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5225
    -0,0245 (-0,44%)
     

Perdeu tudo! Twitter é processado por dever aluguel da sede em São Francisco

Não é nenhuma novidade que a situação financeira do Twitter está frágil. No último ano a empresa sofreu grande desvalorização durante o processo de aquisição por Elon Musk. Além das dívidas com multas bilionárias, a plataforma ainda perdeu grande parte de sua receita publicitária após o novo CEO assumir. E 2023 começou com mais drama, visto que a empresa está sendo processada por dever o aluguel.

A California Property Trust, proprietária do prédio que abriga a sede do Twitter em São Francisco, está processando o Twitter por não pagar o aluguel atrasado no valor de US$ 136.250 (cerca de R$ 727.874,75). Conforme noticiou a Bloomberg, a empresa notificou a rede social em 16 de dezembro, dando um prazo de cinco dias para o pagamento. Na última semana, a empresa apresentou uma queixa no Tribunal Superior do Condado de São Francisco dizendo que o Twitter não cumpriu com a ordem.

Na primeira semana como diretor do Twitter, Elon Musk anunciou que a situação financeira da empresa era grave. (Imagem: Reprodução/Daniel Oberhaus/CC-BY-S.A-4.0)
Na primeira semana como diretor do Twitter, Elon Musk anunciou que a situação financeira da empresa era grave. (Imagem: Reprodução/Daniel Oberhaus/CC-BY-S.A-4.0)

Segundo uma reportagem do The New York Times, nas últimas semanas do ano, o Twitter parou de pagar o aluguel de todos os seus escritórios globais para economizar custos. A empresa também enfrenta um processo por não pagar US$ 197.725.000 (R$ 1,06 milhão) por voos fretados feitos durante a primeira semana de Musk na direção do Twitter. Buscando cortar o máximo de gastos, a empresa ainda está demitindo funcionários, mesmo o CEO tendo dito que as demissões haviam acabado.

Musk demite advogado pessoal e enfrenta ações coletivas trabalhistas

Dentre as baixas mais recentes, está a dissolução do Conselho de Confiança e Segurança e a reformulação da equipe jurídica da empresa. Foram demitidos Nelson Abramson, chefe global de infraestrutura da empresa; Alex Spiro, advogado de defesa criminal e um dos aliados pessoais mais próximos de Musk; e James Baker, vice-conselheiro geral do Twitter.

Segundo o portal de notícias, Musk ficou descontente ao descobrir que Spiro sabia que Baker foi o responsável por restringir postagens de um artigo sobre o laptop de Hunter Biden.

Para superar a falta de Spiro e Baker, Musk teria trazido "mais de meia dúzia" de advogados da SpaceX, incluindo o vice-presidente sênior e conselheiro geral da SpaceX, Tim Hughes. Musk também aconselhou os funcionários a não pagarem faturas de viagens e outros fornecedores aos quais a empresa deve dinheiro.

Como consequência das demissões em massa, o Twitter está enfrentando diversos problemas na justiça. A empresa está sendo processada através de ações coletivas trabalhistas por não ter pagado as devidas indenizações aos funcionários, além de estar sendo acusada de discriminação de gênero — com alegações de que as mulheres foram as mais atingidas durante os cortes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: