Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.266,58
    -142,33 (-0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Perderemos respeito da população se não pagarmos imposto sobre lucros e dividendos, diz Guedes

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala em evento no Itamaraty

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - Nós perderemos o respeito da população se não pagarmos imposto sobre a distribuição de lucros e dividendos, disse nesta quinta-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltando a defender que a reforma do Imposto de Renda seja usada como ferramenta para viabilizar o Auxílio Brasil turbinado e a correção da tabela de incidência do tributo para pessoas físicas.

“Como você vai defender que somos um país muito importante, que temos que tirar o subsídio. Aí você fala 'põe a mão no bolso, paga 3% de imposto'... 'Não quero'. Não pode, é uma atitude moralmente incorreta, nós perdemos credibilidade, força, o respeito da população se a gente não pagar imposto sobre lucros e dividendos”, disse.

Em referência a declaração feita mais cedo nesta quinta, de que a decretação de calamidade seria uma ideia para permitir os pagamentos do Auxílio Brasil em 2023 se a guerra na Ucrânia continuar, Guedes disse que essa é uma alternativa, mas não seria uma boa opção por ser temporária.

O ministro voltou a dizer que a taxação de dividendos, no formato já aprovado pela Câmara e que depende de análise do Senado, poderá bancar as promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro de forma permanente.

“Não pode colocar o auxílio (de R$600) no Orçamento pela Lei de Responsabilidade Fiscal, mas o compromisso está assumido, vai ser R$600 (em 2023) e ponto final”, disse.

Segundo ele, a arrecadação anual estimada em 70 bilhões de reais com o novo tributo seria suficiente para financiar 52 bilhões de reais do adicional de 200 reais do Auxílio Brasil, além de 17 bilhões para a correção da tabela do Imposto de Renda.

Guedes vem argumentando que o plano para a taxação de dividendos, que hoje conta com isenção, atingiria apenas uma pequena parcela da população, especificamente contribuintes ricos que atualmente pagam menos tributos que a média.

“Esse imposto incide só sobre 60 mil pessoas, só sobre ganhos de lucros e dividendos acima de 400 mil (reais) por mês”, disse.

Na apresentação, Guedes comentou, em tom crítico, a aprovação pelo Congresso de um piso nacional para profissionais de enfermagem, embora tenha afirmado que o tema é politicamente espinhoso. Ele disse imaginar que os hospitais devem estar preocupados e acrescentou ter ouvido que hospitais privados terão que fazer demissões para compensar esse gasto adicional.

Em meio à campanha eleitoral, o ministro disse que se o atual governo vencer o pleito este ano será possível fazer uma reforma tributária e uma reforma administrativa ainda em 2022. E destacou que “com mais quatro anos, seguramente vamos zerar o IPI”.