Mercado fechará em 3 h 32 min
  • BOVESPA

    103.815,89
    -3.919,12 (-3,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.170,88
    +150,83 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,81
    +0,31 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.804,40
    +22,50 (+1,26%)
     
  • BTC-USD

    61.012,42
    -2.374,66 (-3,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.451,56
    -51,48 (-3,42%)
     
  • S&P500

    4.536,18
    -13,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.598,79
    -4,29 (-0,01%)
     
  • FTSE

    7.222,11
    +31,81 (+0,44%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.356,75
    -122,00 (-0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6821
    +0,1011 (+1,54%)
     

Perdas de aéreas por Covid superam US$ 200 bi, segundo a IATA

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os prejuízos das companhias aéreas com a pandemia do coronavírus devem ultrapassar US$ 200 bilhões à medida que as restrições às viagens devem pesar sobre a demanda corporativa e de longa distância até 2022, de acordo com o principal lobby do setor.

Most Read from Bloomberg

As transportadoras devem registrar um déficit coletivo de US$ 11,6 bilhões no próximo ano, disse a Associação Internacional de Transporte Aéreo na segunda-feira em Boston em sua reunião anual. O órgão também aumentou sua estimativa de perda para este ano e revisou para cima o déficit para 2020.

As perdas líquidas combinadas de US$ 201 bilhões durante o período da pandemia eclipsam quase nove anos de ganhos da indústria, com base nos números da IATA. Embora as viagens domésticas e regionais tenham começado a se recuperar, houve pouca recuperação nas rotas comerciais globais, tão cruciais para muitas operadoras.

Os EUA estão prestes a abrir suas fronteiras para visitantes transatlânticos no mês que vem, mas outros mercados de longa distância permanecem em crise, especialmente aqueles que conectam a Ásia com a Europa e a América do Norte.

“A magnitude da crise da Covid-19 para as companhias aéreas é enorme”, disse o diretor geral da IATA, Willie Walsh, na maior reunião de CEOs do setor em mais de dois anos. “As pessoas não perderam o desejo de viajar, como vemos na sólida resiliência do mercado doméstico. Mas elas estão sendo impedidas de fazer viagens internacionais por restrições, incertezas e complexidade.”

O tráfego de passageiros - número de pessoas que voam vezes a distância percorrida - deve atingir 40% dos níveis pré-pandêmicos neste ano, subindo para 61% em 2022, quando a contagem de viajantes deve ser de 3,4 bilhões. Isso é semelhante ao número de clientes de 2014, mas cerca de um quarto abaixo do número de 2019.

As perdas neste ano totalizarão quase US$ 52 bilhões, prevê a IATA, piores do que os US$ 48 bilhões estimados em abril, depois que os voos permaneceram limitados durante o normalmente lucrativo verão do norte.

O prejuízo do ano passado foi revisado de US$ 126 bilhões para cerca de US$ 138 bilhões.

Recuperação dos EUA

Entre as regiões globais, apenas as operadoras da América do Norte devem retornar ao lucro no próximo ano, com quase US$ 10 bilhões em receita líquida. As companhias aéreas europeias registrarão perdas de cerca de US$ 9,2 bilhões, de acordo com a IATA, enquanto as operadoras do Oriente Médio, altamente dependentes de rotas intercontinentais, acumularão um déficit de US$ 4,6 bilhões.

Walsh, ex-CEO da British Airways, proprietária IAG, ofereceu algum otimismo aos líderes das companhias aéreas reunidas, dizendo que o setor “já passou do ponto mais profundo da crise” e que “o caminho para a recuperação está chegando.”

Os voos domésticos, que se beneficiam da remoção das restrições, estarão quase de volta aos níveis de passageiros anteriores à pandemia no ano que vem, disse a IATA.

O setor de carga aérea é outro ponto positivo, com a demanda este ano sendo 8% acima dos níveis de 2019, aumentando para mais de 13% em 2022 em meio a um aumento nas remessas para um reabastecimento global e a mudança para compras online.

Walsh disse que as companhias aéreas continuarão a precisar de medidas de apoio salarial dos governos até que as viagens internacionais se recuperem em escala, bem como medidas regulatórias, como a suspensão das regras de uso ou perda de slots em aeroportos.

A taxa de ocupação média de passageiros deve ser de cerca de 67% este ano, subindo para 75% em 2022 - ainda bem abaixo do recorde de 83% estabelecido em 2019.

Embora a IATA represente 290 companhias aéreas, compreendendo 82% do tráfego aéreo global, sua associação exclui várias companhias aéreas de baixo custo que estão entre as que se espera que se recuperem mais rapidamente da crise.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos