Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.512,38
    +480,38 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.801,68
    +163,28 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,90
    +0,37 (+0,43%)
     
  • OURO

    1.789,90
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    23.892,67
    +16,48 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    569,15
    -2,76 (-0,48%)
     
  • S&P500

    4.305,20
    +8,06 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.152,01
    +239,61 (+0,71%)
     
  • FTSE

    7.536,06
    +26,91 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    19.830,52
    -210,38 (-1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,89 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.648,75
    -9,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2333
    +0,0548 (+1,06%)
     

Perda do cromossomo Y pode ser causa dos homens viverem menos que as mulheres

Cientistas relatam ter encontrado uma das razões para que os homens vivam menos do que as mulheres: é a perda natural do cromossomo Y com a idade, que leva à cicatrização do tecido cardíaco e aumenta as chances de problemas de coração potencialmente fatais. Especialmente após os 60 anos de idade, os homens morrem mais rápido que as mulheres.

A perda do cromossomo Y nos homens pode ser uma das causas da expectativa de vida menor em relação às mulheres (Imagem: claudioventrella/Envato Elements)
A perda do cromossomo Y nos homens pode ser uma das causas da expectativa de vida menor em relação às mulheres (Imagem: claudioventrella/Envato Elements)

Glóbulos brancos e cromossomos

Um ser humano saudável, sem síndromes ou doenças genéticas traz 23 pares de cromossomos. Destes, 22 são autossomos, ou seja, são os mesmos em homens e mulheres. O par restante é composto pelos cromossomos sexuais, sendo dois X para as mulheres e um X e um Y para os homens: à medida que envelhecem, eles tendem a perder o Y de algumas células, especialmente as que são substituídas com frequência, como as hemácias.

Embora estudos anteriores tenham sugerido alguma conexão entre a perda de cromossomos Y e doenças relacionadas à idade, a razão para isso ainda não havia sido encontrada. Esse novo estudo, publicado na revista científica Science, parece ter encontrado ao menos uma das respostas para o enigma cromossômico.

Através da edição genética CRISPR, os cientistas removeram o cromossomo Y das células do tutano dos ossos de camundongos machos. Com isso, verificou-se a produção de glóbulos brancos sem o Y, e alguns deles foram até o coração dos roedores, gerando uma rede de sinalização pró-fibrótica — o que levou à fibrose, ou seja, cicatrização do tecido cardíaco, reduzindo a função do órgão e condenando o animal a uma morte mais precoce.

Nos camundongos, os problemas cardíacos puderam ser revertidos ao utilizar anticorpos contra os glóbulos brancos sem o cromossomo Y (Imagem: twenty20photos/envato)
Nos camundongos, os problemas cardíacos puderam ser revertidos ao utilizar anticorpos contra os glóbulos brancos sem o cromossomo Y (Imagem: twenty20photos/envato)

A fibrose dos tecidos, segundo especialistas, é um dos marcos da idade, contribuindo para 45% das mortes em países industrializados. Muitas delas, segundo a nova pesquisa, podem estar relacionadas com a perda do cromossomo Y. Para checar como os humanos estão inclusos na questão, os pesquisadores analisaram dados do UK Biobank e notaram uma relação entre a perda do Y e índices mais altos de doenças cardíacas.

É possível tratar?

Tratados com anticorpos que bloqueiam as atividades dos glóbulos brancos, os ratos tiveram suas disfunções cardíacas aliviadas, o que abre a possibilidade de utilizar remédios contra a fibrose para garantir um envelhecimento saudável aos homens, mantendo algumas doenças do coração em cheque. Mais pesquisas, no entanto, serão necessárias para determinar se tais remédios, como a pirfenidona, realmente ajudarão a diminuir o impacto da perda do cromossomo Y.

A perda dos cromossomos é natural: os cientistas lembram que o DNA das nossas células passa por mutações à medida que envelhecemos, o que inclui a perda de cromossomos Y inteiros em grupos celulares masculinos. Como somos literalmente uma pilha de células em mutação, o processo é inevitável, mas podemos seguir entendendo como isso se relaciona com a idade e as doenças que ela traz.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos