Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.553,47
    +258,89 (+0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Pequim pede que EUA pare de 'demonizar' a China durante visita de enviada

·1 minuto de leitura
Wendy Sherman é a funcionária de mais alto nível a visitar a China no governo do presidente Joe Biden

Pequim pediu na segunda-feira (noite de domingo, 25, no Brasil) que os Estados Unidos parem de "demonizar" a China, durante diálogos com a vice-secretária de Estado americana, Wendy Sherman, a enviada de mais alto nível do governo de Joe Biden a visitar o país asiático.

"A esperança pode ser que, ao demonizar a China, os Estados Unidos poderão (...) culpar a China por seus próprios problemas estruturais", informou o ministério das Relações Exteriores chinês em um comunicado, no qual advertiu que a relação bilateral está "estagnada e enfrenta sérias dificuldades".

Sherman chegou neste domingo à cidade portuária de Tianjin buscando consolidar as relações entre as duas potências econômicas, confrontadas por temas como cibersegurança e direitos humanos.

"Urgimos os Estados Unidos a mudarem sua mentalidade equivocada e sua política perigosa", acrescentou o comunicado sobre as conversas de Sherman com o vice-ministro chinês de Relações Exteriores, Xie Feng.

Ainda segundo a nota, Washington vê Pequim como um "inimigo imaginário".

Sherman tem previsto reunir-se também com o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi.

Os Estados Unidos afirmaram na semana passada que esperam usar os diálogos como uma oportunidade para mostrar a Pequim como é uma concorrência "saudável e responsável", mas que quer evitar um "conflito".

Em sua breve visita que se encerrará na segunda-feira, Sherman não irá a Pequim, permanecendo em Tianjin, uma cidade portuária no nordeste do país.

Além dela, John Kerry, emissário de Washington sobre o clima, tinha sido o único funcionário de alto nível do governo Biden a visitar a China.

Na semana passada, os Estados Unidos condenaram os ciberataques em larga escala procedentes da China.

lxc/apj/rbu/mas/gm/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos