Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,79
    -0,18 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.754,30
    +2,90 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    47.211,14
    -949,22 (-1,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.324,75
    -1,25 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1959
    -0,0035 (-0,06%)
     

Pequim diz ter "repelido" navio de guerra dos EUA perto do Mar do Sul da China

·1 minuto de leitura
Navio de guerra dos EUA no Mar do Sul da China em foto de arquivo

PEQUIM (Reuters) - Os militares da China disseram ter "repelido" um navio de guerra dos Estados Unidos que entrou ilegalmente em águas chinesas próximas das Ilhas Paracelso nesta segunda-feira, o aniversário do veredicto de um tribunal internacional que sustentou que Pequim não tem direito de reivindicar o Mar do Sul da China.

O USS Benfold entrou nas águas sem aprovação da China, violando gravemente sua soberania e minando a estabilidade do Mar do Sul da China, disse o comando do teatro sul do Exército Popular de Libertação.

"Pedimos aos Estados Unidos que parem imediatamente com tais provocações", disse o do Exército Popular de Libertação em um comunicado.

Em 12 de julho de 2016, o Tribunal de Arbitragem Permanente de Haia determinou que a China não tem nenhum direito histórico sobre o Mar do Sul da China, um parecer que Pequim disse que ignorará.

O Benfold garantiu direitos e liberdades de navegação nas imediações das Ilhas Paracelso condizentes com a lei internacional, disse a Marinha dos EUA em um comunicado nesta segunda-feira.

As ilhas são reivindicadas por China, Taiwan e Vietnã, o que exige ou permissão ou notificação adiantada para uma embarcação militar passar.

"Segundo a lei internacional, tal como refletida na Convenção sobre o Direito do Mar, os navios de todos os Estados, inclusive seus navios de guerra, desfrutam do direito de passagem inocente através do mar territorial", acrescentou a Marinha norte-americana.

"A República Popular da China continua a coagir e intimidar Estados litorâneos do sudeste asiático, ameaçando a liberdade de navegação nesta passagem global crítica", disse o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken.

(Por Ryan Woo)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos