Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.637,13
    +90,14 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Pequim critica ação da Austrália contra jornalistas chineses

·1 minuto de leitura
O jornalista australiano da ABC News Bill Birtles
O jornalista australiano da ABC News Bill Birtles

O governo chinês criticou, nesta quarta-feira (9), as operações de busca e apreensão de jornalistas chineses que trabalham na Austrália, durante a qual computadores e telefones celulares foram retidos, em meio a tensões crescentes com Camberra.

As relações diplomáticas entre China e Austrália se deterioraram dramaticamente nos últimos meses, desde que Camberra convocou uma investigação internacional sobre a origem da covid-19. A doença surgiu na China, no final de 2019.

Desde então, essa escalada bilateral afetou uma infinidade de questões, incluindo comércio, segurança e mídia.

O caso denunciado hoje por Pequim remonta a junho, mas foi divulgado somente agora. Os jornalistas em questão foram interrogados e tiveram seus telefones, computadores e "até mesmo os tablets de seus filhos confiscados", relatou o porta-voz.

À época designados para trabalhar na Austrália para as agências de notícias Xinhua e China News Service (CNS), bem como para o grupo audiovisual China Media Group, os jornalistas já voltaram para casa.

Questionadas pela AFP, as autoridades australianas se recusaram a comentar o caso.

Essas acusações de Pequim se seguem ao anúncio de uma investigação de "segurança nacional" da apresentadora australiana Cheng Lei, detida em agosto na China, e à saída apressada do país de dois jornalistas australianos que temiam serem detidos arbitrariamente.

Os repórteres Bill Birtles e Michael Smith se refugiaram secretamente por vários dias em instalações diplomáticas de seu país na China, até que um acordo foi alcançado para permitir seu retorno à Austrália.

burs-ehl-apj/fox/sbr/mab/es/tt