Mercado abrirá em 1 h 12 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,90
    +1,64 (+2,48%)
     
  • OURO

    1.781,30
    -2,60 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.717,32
    -1.657,83 (-3,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.216,73
    -225,03 (-15,61%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.166,08
    +43,76 (+0,61%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.645,75
    -72,00 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3739
    -0,0214 (-0,33%)
     

Pequim adia maratona e amplia restrições da Covid antes da Olimpíada de Inverno

·1 min de leitura
Chama olímpica em Pequim

PEQUIM (Reuters) - O surto de Covid-19 mais recente da China obrigou a capital Pequim a adiar sua maratona anual e a ampliar outras restrições, no momento em que a cidade e a província vizinha de Hebei aceleram os preparativos para a Olimpíada de Inverno de 2022.

A China relatou 35 casos novos transmitidos domesticamente no domingo, mostraram dados oficiais nesta segunda-feira. Pequim respondeu por 14 dos 168 casos relatados entre 17 e 24 de outubro.

Ainda no domingo, autoridades nacionais de saúde alertaram que é cada vez mais provável que o foco mais recente, causado pela variante Delta altamente transmissível e envolvendo muitos portadores que viajaram recentemente por várias províncias, se dissemine mais.

Pequim está proibindo a entrada de pessoas de outras cidades com casos e fechou instalações como clubes de xadrez e de jogos de carta, até mesmo em distritos sem infecções.

A decisão de adiar a maratona de Pequim, que deveria acontecer nos dias 29 e 30 de outubro, vem na esteira de uma decisão semelhante na cidade central de Wuhan, que não relatou nenhuma infecção local.

Embora o número de infecções esteja muito menor do que em muitos lugares de fora da China, as autoridades adotam uma estratégia de tolerância zero, rastreando agressivamente possíveis infecções e impondo restrições de viagem e limitações ao turismo e aos setores de serviço.

Algumas províncias e cidades do país disseram ter começado a vacinar crianças de 3 a 11 anos contra a Covid-19, e 76% de seus 1,4 bilhão de habitantes já receberam doses completas e pessoas habilitadas estão recebendo uma dose de reforço.

(Por Roxanne Liu, Ryan Woo e Gabriel Crossley)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos