Mercado fechará em 2 mins
  • BOVESPA

    108.390,11
    -724,05 (-0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.081,23
    +272,67 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,55
    +1,84 (+2,40%)
     
  • OURO

    1.635,00
    +1,60 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    19.113,56
    -114,33 (-0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,48
    -20,65 (-4,50%)
     
  • S&P500

    3.643,60
    -11,44 (-0,31%)
     
  • DOW JONES

    29.108,50
    -152,31 (-0,52%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.308,75
    -7,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1557
    -0,0237 (-0,46%)
     

Pequenos intervalos de dez minutos já ajudam a prevenir Burnout

Segundo um estudo publicado na revista Plos One, pequenos intervalos de dez minutos já ajudam a prevenir a síndrome de Burnout. Para chegar à afirmação, os pesquisadores analisaram dados de 22 estudos da área. A maior eficácia se dá às pausas destinadas a alguma atividade física, como alongamento.

Para o estudo, os participantes tiveram simulações de trabalho, tarefas reais relacionadas ao trabalho ou testes cognitivos, e após as tarefas, fizeram os intervalos de 10 minutos, onde puderam escolher atividades como alongamento, caminhada, assistir a vídeos ou simplesmente relaxar.

Os pesquisadores descobriram que, quando se tratava de avaliar se o intervalo tinha um efeito positivo ou negativo no humor de um indivíduo, a atividade realizada durante o intervalo era um fator importante. Os autores observaram que “atividades físicas como alongamento e exercícios foram associadas ao aumento de emoções positivas e diminuição da fadiga”.

No entanto, a atividade dentro desse intervalo envolvesse ajudar um colega ou algo relacionado ao trabalho leva a emoções negativas, diminuição do bem-estar e pior qualidade do sono.

(Imagem: Prostock-studio/envato)
(Imagem: Prostock-studio/envato)

Pausas podem evitar a Síndrome de Burnout

Com os funcionários de hoje enfrentando esgotamento, longas horas e cargas de trabalho cada vez maiores, o estudo sugere que as pequenas pausas podem ser um bom caminho para se alcançar o bem-estar.

Estudos anteriores já apontaram como a síndrome age no cérebro: as vias de sinalização de estresse enfraquecem o córtex pré-frontal e fortalecem as partes mais primitivas. O estresse gerado pela condição pode enfraquecer a conectividade da rede pré-frontal, prejudicando a capacidade de concentração, e pode tornar o córtex pré-frontal vulnerável à disfunção, levando a determinados distúrbios.

Em janeiro deste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a considerar Burnout como “estresse crônico de trabalho que não foi administrado com sucesso”. Apesar da mudança, a síndrome continua sendo considerada um problema na saúde mental e um quadro psiquiátrico. O CID 11 também engloba o estresse pós-traumático, distúrbio em games e resistência antimicrobiana.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: