Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.166,98
    -513,12 (-2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Pequenas sondas podem estudar o asteroide Apophis durante sobrevoo em 2029

Duas pequenas espaçonaves poderiam ser lançadas a bordo de um foguete Black Brant rumo ao asteroide Apophis, aproveitando a aproximação que a rocha espacial fará da Terra em 2029. A proposta faz parte de uma missão conceitual apresentada por Paul Blase, da startup Space Initiatives Inc, durante uma conferência realizada pelo Lunar and Planetary Institute entre os dias 11 e 12 de maio.

O par de naves teria instrumentos simples a bordo, como câmeras e espectrômetros, e teriam diferentes objetivos: uma seria liberada a 75 km de altitude, a outra, a 1.500 km. Blase sugeriu que um disparo a laser da Terra poderia ajudar as sondas a alcançar a altitude máxima de 30 mil km ficando bem no alcance da passagem de Apophis, asteroide com aproximadamente 300 m de diâmetro.

A primeira sonda iria se chocar contra a rocha espacial, enquanto a segunda iria observar a pluma do impacto com um espectrômetro. “Pesa apenas um grama, então não vai fazer muito — mas irá causar uma pluma”, explicou Blase. Depois, os dados da colisão seriam obtidos da segunda nave após a reentrada na atmosfera. Mas este é apenas um conceito, e a equipe vem pensando em outros para aproveitar a passagem de Apophis.

Imagens de radar do Apophis, capturadas em março de 2021 (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech and NSF/AUI/GBO)
Imagens de radar do Apophis, capturadas em março de 2021 (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech and NSF/AUI/GBO)

Um deles envolve sobrevoos regulares nas semanas antes, durante e após a aproximação, sendo que cada um custaria US$ 2 milhões — o custo parece alto, mas lembre-se que, por se tratar de uma missão espacial, é baixo. Neste cenário, apenas cinco anos seriam necessários para elaborar a missão. “Assim que o Apophis se aproximar, tudo pode ser feito em cerca de 12 horas”, sugeriu.

Este período curto de resposta a um asteroide a caminho é importante para a defesa planetária, especialmente no caso de alguma rocha espacial ser identificada seguindo uma trajetória perigosa para a Terra. Pensando nisso, a equipe acredita que pequenas naves prontas para serem “empurradas” por lasers para se aproximarem rapidamente de asteroides perigosos podem conseguir redirecioná-los.

“Toda a tecnologia básica para esta proposta já existe atualmente”, disse ele, acrescentando que o Apophis representa uma boa oportunidade para desenvolver capacidades para usos futuros. Embora o monitoramento de objetos espaciais perigosos tenha sido aprimorado, ainda há vários asteroides próximos da Terra inofensivos, mas que são identificados faltando uma semana ou até menos poucas horas para passarem por nós.

O asteroide Apophis passará pela Terra a 31 mil km do nosso planeta. A rocha espacial não oferece riscos de colisão, e representa uma boa oportunidade para os cientistas estudarem objetos do tipo próximos da Terra. Além disso, a missão proposta por Paul Blase e seus colegas poderia ajudar em outras investigações, como na missão conceitual Breakthrough Starshot, que poderá ser enviada ao sistema Alpha Centauri.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos