Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.524,22
    +104,69 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.703,24
    -503,35 (-0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,08
    -2,57 (-3,04%)
     
  • OURO

    1.799,10
    +5,70 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    58.903,55
    -3.166,12 (-5,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.411,94
    -62,39 (-4,23%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.596,00
    +51,00 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4340
    -0,0201 (-0,31%)
     

Pelosi afirma que projeto de infraestrutura será aprovado nos EUA

·2 minuto de leitura
Foto de arquivo da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, durante coletiva de imprensa em Washington, em 8 de setembro de 2021 (AFP/MANDEL NGAN)

A presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, a democrata Nancy Pelosi, disse neste domingo (26) que confia na aprovação esta semana do plano de gastos em infraestrutura, mas admitiu que a votação programada para amanhã poderá ser adiada por diferenças em seu partido.

Os legisladores americanos terão uma semana cheia, com a votação de três projetos de lei cruciais para o presidente Joe Biden: um plano de investimentos em infraestrutura de US$ 1,2 trilhão, reformas sociais por US$ 3,5 trilhões, e uma lei de orçamento para evitar o "shutdown", a paralisação dos serviços federais.

Com o apoio de democratas e republicanos, o primeiro componente sobre infraestrutura foi aprovado no Senado em agosto, e Pelosi tinha prometido colocá-lo em votação na Câmara "antes de 27 de setembro".

Ao ser questionada neste domingo sobre o projeto pela emissora ABC, Pelosi garantiu que o mesmo seria aprovado "esta semana".

Contudo, ainda não há consenso no Partido Democrata. A ala mais à esquerda quer primeiro votar o projeto maior, de reformas sociais, por temor de que os "moderados" se neguem a apoiá-lo após a adoção do projeto de infraestrutura.

Já os republicanos se opõem ferozmente ao projeto de reformas sociais, tachando-o de "irresponsável".

Contudo, se essa reforma não for aprovada até 1º de outubro, o primeiro dia do ano fiscal, o governo federal ficará sem orçamento e terá que ser paralisado de forma repentina.

Para terem mais tempo para negociar, os democratas da Câmara aprovaram um projeto de lei que prevê estender o orçamento atual até 3 de dezembro.

No entanto, o mesmo deverá passar também pelo Senado, com uma maioria de 60 votos, o que obrigará os democratas a conseguirem apoio de alguns republicanos, que já advertiram que votarão contra o projeto.

"Isso é mais que irresponsável", comentou Pelosi sobre a atitude da oposição.

sl/seb/dg/lm/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos