Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,31
    -0,08 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.808,60
    +8,90 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    39.756,68
    +662,28 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    930,59
    +0,67 (+0,07%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.746,02
    +164,36 (+0,60%)
     
  • NASDAQ

    14.980,50
    -31,00 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0651
    +0,0066 (+0,11%)
     

Pele eletrônica à prova de suor não desgruda mesmo depois de atividades físicas

·3 minuto de leitura

Engenheiros do MIT, nos EUA, e pesquisadores da Coréia do Sul criaram uma "pele eletrônica" à prova de suor, que pode ser usada como um sensor aderente que não desgruda quando o usuário pratica atividades físicas ou realiza movimentos como dobrar o braço ou franzir a testa.

O adesivo possui dutos artificiais parecidos com os poros da pele humana, que foram perfurados seguindo padrões semelhantes ao kirigami, a arte japonesa de recortar papel. Esse design faz com que o suor passe pelo patch sem causar irritações ou danificar os sensores embutidos no dispositivo.

“Com este adesivo de pele adaptável, dobrável e respirável, não haverá qualquer acúmulo de suor, descolamento ou informações erradas. Podemos criar sensores vestíveis capazes de fazer um monitoramento constante de longo prazo, detectando sinais vitais diários ou a progressão de doenças como o câncer de pele”, afirma o professor de engenharia mecânica do MIT Jeehwan Kim.

Transpiração x inspiração

Projetos anteriores de e-skins foram desenvolvidos com materiais pegajosos feitos à base de polímeros que não deixavam a pele respirar de forma adequada. Essa característica favorecia o acúmulo de suor, causando um mau funcionamento dos sensores, descolamento precoce do dispositivo e alergias na área de contato.

Para resolver esse problema, os pesquisadores se inspiraram na pele humana, observando a natureza dos poros que possuem um diâmetro médio de aproximadamente 100 mícrons. Eles perceberam que poderiam aumentar a força e a flexibilidade de cada orifício artificial criando padrões repetidos, capazes de esticar sem danificar toda a estrutura.

Esquema de construção da pele eletrônica (Imagem: Reprodução/MIT)
Esquema de construção da pele eletrônica (Imagem: Reprodução/MIT)

“Se você embrulhar um pedaço de papel sobre uma bola, o efeito não é muito bom. Mas se você cortar o papel, ele pode cobrir toda a superfície. Então pensamos que seria possível conectar os orifícios com um corte e, ao mesmo tempo, permitir que o suor fluísse através dos poros artificiais”, explica o professor Kim.

Seguindo esse raciocínio, a equipe fabricou uma capa eletrônica com várias camadas funcionais. Cada faixa de pele artificial possui uma matriz de sensores ultrafinos, capazes de monitorar atividades como temperatura, hidratação, exposição a raios ultravioleta e tensão mecânica durante movimentos de estresse.

Teste na testa

Para comprovar a eficácia do design, os pesquisadores colaram a pele eletrônica no pulso e na testa de um voluntário durante uma semana. Mesmo depois de atividades como correr por 30 minutos em uma esteira ou consumir comida apimentada, o dispositivo não perdeu a aderência e a capacidade de medir os níveis de temperatura, hidratação e exposição aos raios ultravioleta.

Pele eletrônica colada da testa não desgruda mesmo depois de atividades físicas (Imagem: Reprodução/MIT)
Pele eletrônica colada da testa não desgruda mesmo depois de atividades físicas (Imagem: Reprodução/MIT)

O adesivo também se adaptou bem à pele humana durante condições de estresse mecânico repetido, principalmente na região da testa. Após movimentos contínuos de franzir e relaxar, o patch eletrônico manteve a permeabilidade ao suor intacta e não desgrudou como acontecia com modelos anteriores.

A ideia agora é aumentar a resistência e a durabilidade do dispositivo, que por ser ultrafino e permeável fica bastante frágil ao atrito, podendo romper-se com facilidade. Durante os testes, os voluntários utilizaram um invólucro ao redor do adesivo para que ele não fosse danificado durante o banho. “Como o e-skin é muito macio, ele pode ser fisicamente danificado e é isso que precisamos melhorar”, encerra o engenheiro mecânico Hanwool Yeon, autor principal do projeto.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos