Mercado abrirá em 2 h 40 min
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,15
    +1,38 (+1,26%)
     
  • OURO

    1.853,70
    -11,70 (-0,63%)
     
  • BTC-USD

    29.739,01
    +431,04 (+1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    661,94
    +6,12 (+0,93%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.526,55
    +42,20 (+0,56%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.797,50
    +26,50 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1418
    -0,0304 (-0,59%)
     

Pela inflação, países sofrem com aumento em combustíveis e alimentos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 08.02.2019 - Calculadora científica. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 08.02.2019 - Calculadora científica. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cenoura e tomate no Brasil. Vinho e doce de leite na Argentina. Gasolina nos Estados Unidos e países europeus.

Dados sobre a alta da inflação em diversos países apontam que os mais ricos têm sido afetados, principalmente, pelo preço dos combustíveis, enquanto as economias mais pobres sofrem adicionalmente com o aumento dos alimentos.

Levantamento realizado pela reportagem mostra os itens com as maiores altas nos 12 meses encerrados em março para três economias desenvolvidas (EUA, Alemanha e Reino Unido) e cinco emergentes (Brasil, Índia, China, África do Sul e Argentina).

Os argentinos convivem com uma das maiores inflações do mundo (55%). O Brasil, com a taxa mais elevada entre as grandes economias mundiais (11,3%). A China é uma das exceções no cenário global, com inflação de apenas 1,5%.

Os demais enfrentam uma inflação ao consumidor de 5% a 8,5% —essa última, o índice mais alto em cerca de 40 anos nos Estados Unidos.

Relatório do FMI (Fundo Monetário Internacional) divulgado neste mês mostra que os preços dos alimentos e de energia/combustíveis são os que mais contribuem para a inflação global, mas com pesos diferentes em diversas regiões.

No ano passado, os alimentos foram responsáveis por 5% da inflação nos EUA, 22% na Europa e 78% na África Subsaariana. Energia e combustíveis tiveram participação de 46% na inflação americana e de 73% na europeia.

No Brasil, a alimentação em domicílio ficou 29% mais cara nos últimos 12 meses, enquanto a inflação de combustíveis e energia foi de 14%. No Reino Unido e Alemanha, os alimentos subiram 6% no período. Energia e combustíveis, 23%.

Segundo o Fundo, as pressões sobre os preços geradas pela guerra na Ucrânia devem fazer com que a inflação permaneça elevada por mais tempo, principalmente no caso dos alimentos.

"É provável que o conflito tenha um impacto prolongado nos preços das commodities, afetando o petróleo e os preços do gás mais severamente em 2022 e os preços dos alimentos até 2023 (por causa do impacto defasado da colheita deste ano)."

Além da elevação direta no preço de produtos negociados internacionalmente, o Fundo destaca que, na maioria dos mercados emergentes, o aumento dos preços dos alimentos também é influenciado pelo mau tempo que atingiu as colheitas e por custos mais elevados gerados pela alta dos combustíveis e fertilizantes.

Conforme destaca o FMI, os alimentos são parte importante da cesta de consumo das famílias em países de baixa renda. Além disso, algumas nações mais pobres têm dietas muitas vezes concentradas em apenas um tipo de grão —trigo, milho e sorgo na África Subsaariana, por exemplo.

*

PRODUTOS QUE MAIS SUBIRAM NO BRASIL

Em % acumulado em 12 meses até mar.2022

Cenoura - 166,2

Tomate- 94,6

Pimentão - 80,4

Melão- 69,0

Melancia - 66,4

Repolho - 64,8

Café moído - 64,7

Mamão - 55,0

Óleo diesel - 46,5

Gás veicular - 45,5

IPCA - 11,3

Fonte: IPCA/IBGE

PRODUTOS QUE MAIS SUBIRAM NOS EUA

Em % acumulado em 12 meses pelo CPI

Óleo combustível- 70,1

Gasolina- 48,0

Hotéis e motéis- 29,0

Propano, querosene e lenha - 24,4

Tarifas aéreas - 23,6

Aluguel de carros e caminhões - 23,4

CPI - 8,5

Fonte: US Bureau of Labor Statistics

PRODUTOS QUE MAIS SUBIRAM NO REINO UNIDO

Em % acumulado em 12 meses pelo CPI

Combustíveis - 113,9

Carros usados - 31,0

Gás - 28,3

Eletricidade - 19,2

Transporte de passageiro (marítimo/fluvial) - 18,5

Óleos e gorduras - 18,1

CPI - 6,2

Fonte: UK Office for National Statistics

PRODUTOS QUE MAIS SUBIRAM NA ALEMANHA

Em % acumulado em 12 meses pelo CPI

Óleo para aquecimento - 144,0

Diesel- 62,6

Gasolina - 41,9

Gás - 41,8

Automóveis usados - 23,9

Eletricidade - 17,7

CPI - 7,3

Fonte: Statistisches Bundesamt

PRODUTOS QUE MAIS SUBIRAM NA CHINA

Em % acumulado em 12 meses pelo CPI

Combustíveis - 24,1

Vegetais frescos - 17,2

Ovos - 7,0

Frutas frescas - 4,3

Água e eletricidade - 4,3

Alimentos aquáticos - 4,2

CPI - 1,5

Fonte: National Bureau of Statistics of China

PRODUTOS QUE MAIS SUBIRAM NA ÍNDIA

Em % acumulado em 12 meses pelo CPI

Óleos e gorduras - 18,8

Vegetais - 11,6

Calçados - 11,3

Carne e peixe - 9,6

Confecções - 9,1

Especiarias - 8,5

CPI - 7,0

Fonte: India National Statistical Office

PRODUTOS QUE MAIS SUBIRAM NA ARGENTINA

Em % acumulado em 12 meses pelo IPC

Tomate - 167

Café moído - 123

Vinho - 104

Ovos de galinha - 87

Doce de leite - 78

Manteiga - 74

IPC - 55

Fonte: Instituto Nacional de Estadística y Censos

PRODUTOS QUE MAIS SUBIRAM NA ÁFRICA DO SUL

Em % acumulado em 12 meses pelo CPI

Aluguel de carros - 53,0

Combustíveis - 32,2

Óleo de cozinha - 32,2

Eletricidade - 14,2

Tarifas aéreas - 13,5

Transporte público - 10,0

CPI - 5,7

Fonte: Statistics South Africa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos