Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.960,00
    +42,85 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Peixe-português, extremamente raro e exótico, é encontrado no litoral de SP

Conhecido pelo nome de peixe-português ou peixe-de-guerra, a espécie Nomeus gronovii foi vista pela primeira vez no Parque Estadual Marinho da Laje de Santos, no litoral de São Paulo. Segundo especialistas, o animal é extremanente raro e exótico.

"Essa é a primeira ocorrência [do peixe-português] na nossa região de Santos", afirma o biólogo Eric Comin para o G1. Até então, a espécie extremamente rara foi encontrada uma única vez no Brasil. Mais especificamente, em São Sebastião, no litoral norte do estado.

Fora destas aparições raras, o peixe-português é nativo e pode ser encontrado comumente no Golfo do México, no Caribe, no Mar Mediterrâneo e no Mar Vermelho.

Vale destacar que o registro inédito do peixe raro e exótico foi clicado pelo mergulhador Leonardo Maronezi na última segunda-feira (14), enquanto o fotógrafo estava em um intervalo de superfície durante o mergulho.

Peixe-português estava acompanhado de caravela no litoral de SP

Segundo artigo da Encyclopedia Britannica, o peixe-português é conhecido por viver, de forma segura, entre os tentáculos urticantes da caravela-portuguesa (Physalia physalis). Ali, obtém proteção e comida. Inclusive, no litoral de São Paulo, o animal avistado estava ao lado de uma caravela desta espécie.

"Quando jovem eles vivem entre os tentáculos das caravelas, então habitam a zona superficial do mar e vivem nessa situação porque se alimentam do resto de comida deixada por elas", acrescenta Comin.

"Conforme crescem, o corpo [do peixe exótico] muda e eles passam a habitar oceanos abertos, podendo viver entre 200 e 1000 metros de profundidade na fase adulta, [mas] não se sabe o ciclo de vida desses animais. Não tem muito estudo a respeito dele", completa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: