Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,61
    +0,49 (+0,68%)
     
  • OURO

    1.857,50
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    39.771,07
    -490,45 (-1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    986,81
    -23,80 (-2,35%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.372,64
    -68,66 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    14.041,00
    +10,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1124
    -0,0055 (-0,09%)
     

Peixe-leão ameaça vida marinha na costa brasileira

·3 minuto de leitura
Peixe-leão ameaça vida marinha na costa brasileira
Peixe-leão ameaça vida marinha na costa brasileira

Bonitinho, mas ordinário, o peixe-leão invade a costa brasileira e ameaça a vida marinha do nosso país. A espécie chegou ao Oceano Atlântico há menos de 30 anos e rapidamente se espalhou, impactando negativamente os ecossistemas da região, principalmente nos recifes de coral da costa dos EUA e ilhas do Caribe.

Em um estudo publicado nesta quinta-feira (3) na revista científica Biological Invasions por um grupo de pesquisadores brasileiros, quatro registros de peixes-leão na costa do país foram destacados. Esses animais são naturais do oceanos Índico e Pacífico e, depois que invadiram a porção norte do Atlântico, só tinham sido vistos uma vez na parte sul. Até agora.

Leia mais:

Dois indivíduos foram capturados em recifes profundos, entre a região Norte e Nordeste, abaixo da pluma de água doce do Rio Amazonas. Um terceiro foi encontrado no arquipélago pernambucano de Fernando de Noronha, que fica a 350 quilômetros da costa. O outro, justamente o primeiro de todos, o em uma região mais subtropical.

“O registro subtropical, apesar de ser considerado muito distante para um único evento de dispersão larval do Caribe, é recorrente e pode ser resultado de solturas em aquários”, explicam os autores do estudo. Os cientistas também discutem ideias de como comunidades de mergulho e pesca podem ajudar a controlar a invasão dos peixes-leão.

“É fundamental descobrirmos como chegaram e trabalhar com comunidades locais para manter a população sob controle. Se não for controlado, o peixe-leão pode ter um grande impacto nas espécies locais, especialmente aquelas que existem apenas nos recifes que cercam as ilhas oceânicas do Brasil“, disse Luiz Rocha, coautor do estudo e integrante da Academia de Ciências da Califórnia, em entrevista ao site Phys.

O peixe-leão encontrado em Fernando de Noronha é o que mais preocupa, por ser um local de ecossistema mais frágil.
O peixe-leão encontrado em Fernando de Noronha é o que mais preocupa, por ser um local de ecossistema mais frágil. Imagem: Administração de Fernando de Noronha/Divulgação

O peixe-leão tem uma dieta abrangente, um estilo de caça único, reprodução durante todo o ano com ovos que podem viajar pelas correntes oceânicas e faltam predadores naturais para essa espécie. O animal foi visto pela primeira vez no Atlântico Sul em 2015 por um mergulhador, que alertou os pesquisadores, justamente aquele encontrado na região subtropical.

Os três novos peixes rastreados para o estudo foram encontrados com ajuda de pescadores e mergulhadores. O peixe-leão em Fernando de Noronha é o que mais preocupa o grupo de cientistas, pelo ecossistema diferenciado do arquipélago. O local tem várias espécies endêmicas, não encontradas em outro lugar do planeta e sensíveis a impactos adversos.

Os pesquisadores acreditam que os peixes-leão chegaram na costa brasileira usando recifes mais profundos, lentamente indo até o sul do Caribe e entrando sob a pluma do Rio Amazonas. Já o exemplar de Noronha chegou de modo “tradicional”, viajando por correntes entre as ilhas e o Caribe, enquanto larva.

“O Brasil, e Fernando de Noronha em particular, têm comunidades locais robustas de mergulho e pesca. Se colocarmos as ferramentas certas em suas mãos, é absolutamente possível manter a invasão sob controle”, garantiu Luiz Rocha.

Via: Phys

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!