Mercado fechará em 5 h 16 min
  • BOVESPA

    113.636,66
    -540,89 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,14
    +1,13 (+1,39%)
     
  • OURO

    1.934,00
    +4,00 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    22.996,78
    -128,42 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,09
    -6,10 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.756,70
    -4,41 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.062,50
    -44,25 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5074
    -0,0123 (-0,22%)
     

Peixe-leão é uma praga? Entenda os perigos da espécie invasora

O peixe-leão (Pterois volitans) é uma espécie invasora que encanta por sua beleza, marcada pelo corpo listrado de branco e tons de vermelho, laranja e marrom. No entanto, esta "praga ornamental" dos mares não é nativa do Brasil e pode representar um risco tanto para a saúde humana quanto para a biodiversidade nacional.

O tamanho máximo do animal é de 47 centímetros. Apesar das dimensões, a espécie invasora é uma grande predadora. Segundo o ICMBio, o peixe-leão pode comer 20 animais, como pequenos peixes e crustáceos, em meia hora. A fêmea consegue produzir até 30 mil ovos.

Além disso, o peixe-leão possui 18 espinhos venenosos, concentrados em seu dorso. Esta é uma estratégia de defesa do animal que, infelizmente, pode afetar também os humanos. A toxina é bastante dolorosa.

Afinal, por que o peixe-leão é uma praga?

O peixe-leão é uma praga que pode destruir a biodiversidade local (Imagem: Byrdyak/Envato)
O peixe-leão é uma praga que pode destruir a biodiversidade local (Imagem: Byrdyak/Envato)

Originalmente, o "peixe-leão é nativo do ecossistemas de recifes tropicais e subtropicais no sul do Oceano Índico, Pacífico Sul e Mar Vermelho", explicam pesquisadores da agência norte-americana Food and Drug Administration (FDA), em estudo publicado na revista científica Marine Drugs.

"Com poucos predadores naturais e altas taxas reprodutivas e de crescimento, os peixes-leão estabeleceram rapidamente populações no noroeste do Atlântico e no Caribe após sua introdução nas águas da Flórida na década de 1990", detalham os autores sobre o início da invasão da praga. Agora, casos da espécie invasora se intensificam na América do Sul, como o Brasil.

De forma geral, "as explosões populacionais [do peixe-leão] têm um impacto ecológico dramático na biodiversidade, habitat e estrutura da comunidade de peixes de recife, com o peixe-leão superando os predadores nativos na busca por recursos", acrescentam. Neste cenário, as espécies nativas têm dificuldades para sobreviver e a biodiversidade local empobrece.

Onde a espécie invasora já foi identificada no Brasil?

A espécie invasora peixe-leão já foi encontrada em Fernando de Noronha e em outras praias do Brasil (Imagem: Thiago Japyassu/Pexels)
A espécie invasora peixe-leão já foi encontrada em Fernando de Noronha e em outras praias do Brasil (Imagem: Thiago Japyassu/Pexels)

Por enquanto, não existem estatísticas nacionais de relatos do peixe-leão no Brasil e nem de acidentes envolvendo a espécie invasora. No entanto, relatos se espalham pelo litoral brasileiro, como em:

  • Fernando de Noronha, em Pernambuco;

  • Em Fortaleza e em Jericoacoara, ambos no Ceará;

  • Nas águas do Maranhão, durante expedição científica;

  • Em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro.

Peixe-leão é uma espécie venenosa

Acidentes com o peixe-leão podem acontecer quando pessoas pisam no animal de forma acidental ou quando o próprio peixe ataca, o que é mais raro em acidentes com humanos. Segundo o ICMBio, "o veneno do peixe-leão não é fatal para pessoas saudáveis". Só que isso não significa que seja indolor.

O veneno desta espécie invasora é composta por uma toxina neuromuscular e o nível de dor vai depender do quão profundamente o espinho venenoso do peixe-leão penetrou na pele do indivíduo. De forma geral, a toxina do animal pode causar:

  • Dor;

  • Inchaço;

  • Sangramento;

  • Vermelhidão;

  • Dormência;

  • Náuseas;

  • Tontura;

  • Dor de cabeça.

Em alguns indivíduos, o contato com o veneno do peixe pode provocar complicações, especialmente se a pessoa é alérgica (choque anafilático). Neste caso, os sintomas iniciais podem evoluir para:

  • Febre;

  • Falta de ar;

  • Inchaço da garganta e rosto;

  • Parada cardíaca;

  • Paralisia temporária;

  • Óbito.

Diante dos possíveis riscos, a orientação do ICMBio é que ao ser envenenado por um peixe-leão, a pessoa deve procurar por atendimento médico "o mais rápido possível para receber o tratamento adequado".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: