Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,20 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,62 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,84
    +2,27 (+2,07%)
     
  • OURO

    1.821,40
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    20.320,74
    -572,53 (-2,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    441,05
    -9,01 (-2,00%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,27 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.680,50
    -360,00 (-2,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5414
    -0,0027 (-0,05%)
     

Pedra com pênis e xingamento cravados há 1.700 anos é descoberta em forte romano

Arqueólogos descobriram uma pedra vandalizada com xingamentos romanos de 1.700 anos no norte da Inglaterra, próximo à Muralha de Adriano. O local da escavação é o sítio arqueológico de Vindolanda, que foi um forte romano entre século I e o III d.C. e hoje é fonte de diversas descobertas, como as placas homônimas e cartas entalhadas em madeira.

O responsável pelo achado foi o bioquímico aposentado e arqueólogo amador Dylan Herbert, voluntário nas escavações locais. Na segunda semana de trabalho, enquanto removia escombros, ele lidava com uma pedra particularmente teimosa. Feliz ao saber que poderia removê-la do chão, ele o fez. O verso da pedra era como o de qualquer outra — mas a parte da frente o surpreendeu ao revelar letras esculpidas.

Dylan Herbert posa para foto junto ao seu achado arqueológico em Vindolanda (Imagem: The Vindolanda Trust/Divulgação)
Dylan Herbert posa para foto junto ao seu achado arqueológico em Vindolanda (Imagem: The Vindolanda Trust/Divulgação)

Pichando o mundo antigo

Apenas após remover a lama da pedra foi possível entender o tamanho da descoberta, o que, segundo, Herbert, "foi um deleite". Gravados no item, de 40 cm de largura e 15 cm de altura, há o desenho claro e explícito de um falo, além das palavras "SECVNDINVS CACOR", um insulto muito bem direcionado.

Especialistas notaram que os escritos são uma corruptela de "Secundinus cacator", cujo significado seria mais ou menos "Secundinus, o c@gão", ofensa reforçada pela presença fálica ao lado. No contexto do Império Romano, o falo era visto como um símbolo de boa sorte ou fertilidade, mas aos pesquisadores, é óbvio que o autor do desenho não tinha intenções positivas, subvertendo o seu significado.

Nota-se que as letras foram entalhadas com cuidado, o que levou um bom tempo, deixando poucas dúvidas quanto às intenções e sentimentos do artista, segundo os especialistas: é bem claro que o autor tinha algum problema com o tal Secundinus, talvez um soldado romano, e quis deixar sua opinião sobre ele bem pública.

A infame pedra gravada com a figura fálica e o insulto a um infeliz Secundinus de 1.700 ano atrás (Imagem: The Vindolanda Trust/Divulgação)
A infame pedra gravada com a figura fálica e o insulto a um infeliz Secundinus de 1.700 ano atrás (Imagem: The Vindolanda Trust/Divulgação)

Os historiadores consideram o achado fascinante: é um lembrete de que, apesar da brutalidade da ocupação romana nos territórios conquistados, eles também eram seres humanos e insultavam uns aos outros. Antes de haver meios de comunicação de massa, o jeito era vandalizar de formas mais permanentes, gravando muros e paredes residenciais.

O sítio arqueológico de Vindolanda, que já vem sendo escavado e estudado por quase 100 anos, é recordista em desenhos de falos ao longo da muralha de Adriano: o novo achado deixa um total de 13 representações genitais masculinas. Apesar do número e das representações não agradarem muita gente, os arqueólogos locais os encaram como sinal de boa sorte — com mais achados curiosos até o fim da temporada de escavações.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos