Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.586,34
    -342,01 (-1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Pedidos semanais de seguro-desemprego nos EUA caem e demissões recuam em agosto

Anúncio de vagas em aberto é visto em filial da Starbucks, em Nova York, EUA

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de seguro-desemprego caiu mais na semana passada, enquanto as demissões apresentaram queda em agosto, em dados consistentes com a forte demanda por trabalhadores e condições apertadas do mercado de trabalho.

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego recuaram 5 mil, para 232 mil, em número ajustado sazonalmente, na semana encerrada em 27 de agosto, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira.

Os dados da semana anterior foram revisados para mostrar 6 mil solicitações a menos do que o relatado anteriormente. Economistas consultados pela Reuters previam 248 mil pedidos para a última semana.

Apesar dos fortes aumentos da taxa de juros pelo Federal Reserve para domar a inflação, que elevaram o risco de uma recessão, ainda não há sinais de demissões generalizadas.

O governo informou nesta semana que havia 11,2 milhões de vagas de emprego em aberto no fim de julho, com duas vagas para cada desempregado. A resiliência do mercado de trabalho continua a dissipar temores de que a economia esteja em recessão após a contração do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre do ano. O Fed elevou sua taxa básica de juros em 225 pontos-base desde março.

As reivindicações permaneceram ancoradas abaixo da faixa entre 270 mil e 300 mil que, segundo economistas, sinalizaria uma desaceleração material no mercado de trabalho. O número de pessoas recebendo benefícios após uma semana inicial de auxílio, uma "proxy" para contratação, aumentou 26 mil, para um total de 1,438 milhão na semana encerrada em 20 de agosto.

Os dados de pedidos não são indicador antecedente do relatório de emprego de agosto, a ser divulgado na sexta-feira. De acordo com uma pesquisa da Reuters com economistas, a criação de vagas fora do setor agrícola deve ter aumentado 300 mil no mês passado, após ganho de 528 mil em julho.

Embora o crescimento do emprego esteja desacelerando, as condições do mercado de trabalho permanecem apertadas.

Um relatório separado da empresa global de recolocação Challenger, Gray & Christmas nesta quinta-feira mostrou que os cortes de empregos anunciados por empregadores dos Estados Unidos caíram 21%, para 20.485 em agosto. Embora as demissões tenham aumentado 30% em relação ao mesmo período do ano anterior, recuaram 27% nos primeiros oito meses deste ano em comparação com o mesmo intervalo de 2021.

(Reportagem de Lucia Mutikani)