Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.191,96
    +173,67 (+0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA recuam pela 2ª semana consecutiva

·1 minuto de leitura

(Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com pedidos de auxílio-desemprego pela primeira vez caiu inesperadamente na semana passada, embora permaneça elevado por mais de nove meses após a crise econômica e de saúde desencadeada pela pandemia do coronavírus.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego somaram 787.000 na semana encerrada em 26 de dezembro, em comparação com 806.000 na semana anterior, de acordo com dados do Departamento de Trabalho divulgados nesta quinta-feira. Economistas ouvidos pela Reuters previam 833 mil pedidos na última semana.

Embora os pedidos de auxílio-desemprego tenham caído de um recorde de 6,867 milhões em março, eles continuam persistentemente acima do pico de 665.000 ocorrências registrado durante a Grande Recessão de 2007-2009

(Reportagem de Dan Burns)