Mercado abrirá em 8 h 58 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,44
    +0,53 (+1,18%)
     
  • OURO

    1.805,60
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    18.936,96
    -131,53 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    375,53
    +5,78 (+1,56%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.890,50
    +302,30 (+1,14%)
     
  • NIKKEI

    26.581,98
    +416,39 (+1,59%)
     
  • NASDAQ

    12.151,00
    +75,00 (+0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4031
    +0,0062 (+0,10%)
     

Pedidos de seguro-desemprego crescem nos EUA ao ritmo da covid-19

·2 minuto de leitura
Protesto de funcionários do setor aéreo nos arredores do Capitólio, em Washington, em 9 de setembro de 2020
Protesto de funcionários do setor aéreo nos arredores do Capitólio, em Washington, em 9 de setembro de 2020

Os pedidos de seguro-desemprego aumentaram drasticamente nos Estados Unidos na semana passada, quando vários estados e cidades de todo país impuseram novas restrições ante o aumento de casos de covid-19 no território - revelam os números divulgados pelo Departamento do Trabalho nesta quinta-feira (19).

Entre 8 e 14 de novembro, 742.000 pessoas se registraram como desempregadas, um forte aumento em relação às 711.000 da semana anterior, um número revisto para cima e também divulgado hoje. Também é superior aos 720.000 pedidos previstos pelos analistas.

Estados Unidos tinha no começo de novembro 6,4 milhões de desempregados, número divulgado com uma semana de atraso. Essa quantidade representa 429.000 pessoas a menos do que na semana anterior, devido ao fato de uma parte ter recuperado o trabalho, enquanto outros simplesmente deixaram de cobrar o seguro porque é pago apenas por seis meses.

Somando programas de ajudas lançados pela pandemia e que permitem prolongar o prazo do seguro ou estendê-lo a trabalhadores autônomos, 20,3 milhões de pessoas receberam ajuda na última semana de outubro, o que equivale a 841.245 a menos do que na semana anterior.

Isso não significa que todos recuperaram o trabalho. Muitos deles saíram das estatísticas porque seus direitos expiraram.

A situação pode piorar se os democratas e republicanos não chegarem rapidamente a um acordo no Congresso para ajudar famílias e empresas. Cerca de 12 milhões de desempregados ficarão sem recursos depois do Natal, disse o grupo de estudos democrata The Century Foundation.

O inverno (hemisfério norte) se anuncia difícil, já que há algumas semanas o coronavírus voltou a se espalhar pelos Estados Unidos, o país mais castigado do mundo pela pandemia. Autoridades de cidades e estados adotaram ou planejam aplicar medidas para conter a pandemia, que podem prejudicar a economia e consequentemente afetar o emprego.

O estado de Nova York estabeleceu limites para as atividades de bares e restaurantes e, a partir desta quinta-feira, voltou a fechar suas escolas.

A prefeitura de Chicago, a terceira cideade americana, pediu aos seus habitantes que fiquem em casa e limitem seus deslocamentos para coisas essenciais.

Os Estados Unidos registram uma média diária de mil mortes por covid-19 há duas semanas. Na quarta-feira, a quantidade de mortos desde o início da pandemia chegou aos 250.000, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

A iminência do Dia de Ação de Graças em 26 de novembro preocupa as autoridades de saúde sobre o aumento da propagação do vírus, porque é um feriado que reúne famílias e milhões de pessoas se deslocam para comemorá-lo com seus parentes queridos.

jul/Dt/bh/dg/lda/tt/aa