Mercado fechado

Pedidos para Boeing 737 MAX ganham ritmo no Dubai Airshow

Por Ankit Ajmera e Alexander Cornwell

Por Ankit Ajmera e Alexander Cornwell

DUBAI (Reuters) - O 737 MAX da Boeing centralizou os holofotes no Dubai Airshow nesta terça-feira, quando as companhias aéreas anunciaram planos para encomendar até 50 jatos no valor de 6 bilhões de dólares a preços de tabela, apesar de uma suspensão global em vigor desde março.

A companhia de bandeira do Cazaquistão Air Astana disse que assinou uma carta de intenções para encomendar 30 jatos Boeing 737 MAX 8 para sua subsidiária Fly Arystana.

A Air Astana, que opera os jatos Airbus e Embraer em sua rede principal, disse estar confiante na capacidade da Boeing de resolver problemas com o MAX.

Reguladores globais proibiram voos comerciais do jato mais vendido da Boeing em março, após dois acidentes fatais.

Os planos para o retorno do jato ao serviço comercial foram adiados para o início de 2020, quando a Boeing finaliza as revisões de software e treinamento que precisam de aprovação regulatória.

"Estamos tornando o ato de voar acessível para o povo do Cazaquistão", disse Alma Aliguzhinova, chefe de planejamento da Air Astana, a jornalistas, acrescentando que a transportadora de orçamento Fly Arystana começará a tomar os jatos no final de 2021.

A companhia aérea planeja manter 15 aeronaves diretamente e pode financiar o restante por meio de uma transação de arrendamento, disse ela, acrescentando que a Air Astana não mudaria a composição de sua principal frota.

Separadamente, outra companhia aérea assinou um pedido firme de 10 jatos Boeing 737 MAX 7 e 10 Boeing MAX 10, disse uma pessoa familiarizada com o assunto. O nome da companhia aérea não foi divulgado.

A Boeing usou os últimos dois grandes eventos do setor para tentar garantir o impulso do mercado para o MAX, que é visto como essencial para a saúde financeira da fabricante de aviões na próxima década.

Uma carta de intenções entre a Boeing e o proprietário da British Airways, a IAG, para 200 jatos, que ganhou destaque no Paris Airshow em junho, ainda não foi finalizada, já que a holding europeia discute a mudança de frota com subsidiárias que atualmente usam a Airbus para operações de médio curso.

Em outros negócios que coincidiram com o maior show aéreo do Oriente Médio na terça-feira, a companhia aérea saudita Flynas concordou em comprar jatos A321XLR de longo alcance.

O executivo-chefe da companhia aérea havia dito na segunda-feira que a Flynas estava negociando o exercício de opções de compra para alguns ou todos os 40 jatos Airbus A320neo.

A Airbus divulgou uma encomenda provisória em Dubai para 8 de seus pequenos jatos A220 da Air Senegal. A easyJet dp Reino Unido exerceu opções para mais 12 aeronaves Airbus A320neo.

No entanto, não havia sinais imediatos de que a Emirates de Dubai estivesse pronta para finalizar um pedido provisório de 40 Boeing 787 Dreamliners, parte de um complexo conjunto de acordos interligados que geram mudanças de frota na maior companhia aérea internacional do mundo.

O destino do pedido depende de negociações sobre o maior Boeing 777X, para o qual a Emirates é o maior cliente. A Emirates indicou que deseja reestruturar o pedido após atrasos e fontes dizem que poderia usar o acordo 787 pendente como alavancagem.